Por helio.almeida

Brasília - Um homem é suspeito de fraudar o Registro Administrativo de Nascimento de Índio (Rani), o RG indígena emitido pela Fundação Nacional do Índio (Funai). Paulo José Ribeiro da Silva, 39 anos, que é líder indígena no Amazonas, foi indiciado por suspeita de falsificação de documento público.

Mãe do homem disse que tirou nome de dicionário tupi-guaraniReprodução Internet

A Polícia Federal (PF) apurou que Paulo Apurinã, como é conhecido, não é índio. De acordo com a PF, a mãe de Silva disse ter retirado os nomes indígenas dela e do filho - "Ababicareyma" (mulher livre) e "Caiquara" (o amado) - de um dicionário de tupi-guarani.

Entre os indícios de fraude, estão a falta de dados genealógicos e de estudos antropológicos, além de depoimentos de índios, que negaram a origem dos suspeitos. A mãe dele, Francisca da Silva Filha, 56 anos, também foi indiciada pela PF. Eles negam as acusações.

Paulo é porta-voz do Movimento Indígena de Renovação e Reflexão do Amazonas (Mirream). Ele já participou de cerimônias com autoridades como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidente Dilma Rousseff e liderou invasões de terras públicas para assentar índios sem teto em 2009.

Você pode gostar