Após protesto contra aumento da tarifa em SP, 11 pessoas continuam presas

Em menos de uma semana, foram três dias de manifestações contra o aumento no valor das passagens

Por O Dia

São Paulo - Das 17 pessoas detidas na noite de terça-feira durante confronto entre manifestantes e policiais militares, 11 continuam presas, segundo balanço da Secretaria de Segurança Pública. Em menos de uma semana, foram três dias de protestos contra o aumento no valor das tarifas do ônibus e metrô, que passou de R$ 3 para R$ 3,20. De acordo com a PM, aproximadamente 5 mil pessoas participaram das manifestações, na região central.

Os 11 manifestantes permanecem na 78ª Delegacia de Polícia, no bairro Jardins. Deles, dez cometeram crime inafiançável e, além de dano ao patrimônio, vão responder por formação de quadrilha. A outra pessoa que continua presa terá que pagar fiança de R$ 20 mil para ser liberta. De acordo com a secretaria, o valor foi estipulado em função dos danos ao patrimônio cometidos por ele.

Terceiro dia de protesto contra o aumento da passagemReprodução Internet

As pessoas que já foram liberadas cometeram crimes como desacato, danos, pichação e um foi detido por atrapalhar o transporte público. Durante o protesto avenidas foram bloqueadas, vidraças de agências bancárias, quebradas, um ônibus elétrico, queimado e o diretório do PT, apedrejado. Os policiais revidaram com balas de borracha e gás lacrimogênio.

O Movimento Passe Livre havia organizado duas manifestações na semana passada, nas quais também ocorreram confrontos com a polícia. Um novo ato está marcado para quinta-feira.

Nesta quarta-feira, às 14h, o Ministério Público de São Paulo vai fazer uma audiência pública com organizações civis contrárias ao aumento da tarifa de transporte coletivo no município. Participam do encontro, representantes das secretarias Estadual e Municipal de Transportes.

Últimas de _legado_Brasil