Por raphael.perucci

Brasília - Depois da violência registrada na noite de quinta-feira durante protestos em Brasília, o governo se divide entre dar uma resposta pública, em cadeia de radio televisão, ou aguardar os próximos acontecimentos. Nesta sexta-feira, após uma longa reunião com o ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, da qual participaram também os ministros Gilberto Carvalho, chefe da Secretaria Geral da Presidência da República, Aldo Rebelo (Esportes) e Aloizio Mercadante (Educação), havia a expectativa de que alguém do Planalto se pronunciaria - a própria presidenta, em cadeia, ou um interlocutor, provavelmente Gilberto Carvalho.

Dilma avalia se fará pronunciamentoDivulgação


Dilma ainda discute com assessores a conveniência de gravar o pronunciamento ou qual seria a melhor estratégia para acalmar os ânimos dos manifestantes, sem chamar para si o problema da convulsão dos últimos dias.

Certo é que os megaeventos previstos para este ano e o próximo estão mantidos. Pela manhã, Gilberto Carvalho recebeu representantes da Jornada Mundial da Juventude e garantiu que o evento vai mesmo acontecer.

No entanto, o ministro advertiu que muito provavelmente novas manifestações vão acontecer.

A presidenta alterou a agenda da tarde, transferindo a reunião que estava prevista com o presidente da CNBB, Dom Raymundo Damasceno, das 15h para as 19h .

Ela se reúne nesta tarde com o vice-presidente Michel Temer. Também há expectativa de que ela receba os presidentes do Senado, Renan Calheiros, e da Câmara, Henrique Eduardo Alves.

Reportagem: Edla Lula (do Brasil Econômico)

Você pode gostar