Por helio.almeida

São Paulo - A relação de um traficante com a morte do funkeiro Daniel Pellegrino, de 20 anos, o MC Daleste, volta ao foco da Polícia Civil de Campinas (SP), o que reforça a tese de crime passional. Nesta quinta-feira, foi realizada a reconstituição do crime, ocorrido durante um show na periferia da cidade, no último dia 6.

A Delegacia de Homicídios de Campinas apura o envolvimento de MC Daleste com a namorada de um traficante de um bairro da região do San Martin. A polícia já tem a identificação da moça. De acordo com a polícia, a distância é uma evidência de que o assassino tinha experiência em tiro.

O Instituto de Criminalística (IC) realizou a reconstituição simulada do caso. A perícia concluiu até agora que os tiros foram disparados de uma distância de 40 metros e que o assassino estava posicionado ou atrás de um carro abandonado, ou de uma casa em construção ou de um morro de areia.

Daleste foi alvo de dois tiros. O primeiro pegou de raspão e o segundo transfixou o corpo pelo abdome. A causa da morte foi anemia aguda. A polícia ainda não sabe a arma usada nem o calibre. Os projéteis não foram encontrados pela polícia no local do crime.

Você pode gostar