Por bferreira

Rio - Quando a família Garotinho deixou o Palácio Guanabara, no fim do ano de 2006 — Sérgio Cabral foi o sucessor de Rosinha —, muitos dos antigos colaboradores do casal migraram para a nova gestão. Um deles foi o próprio Luiz Fernando Pezão, ex-secretário de Rosinha que virou vice de Cabral e hoje é o nome do PMDB para a sucessão em 2014. Não há qualquer dúvida de que Pezão seja homem de confiança do governador e, exatamente por isso, virou desafeto declarado do deputado federal Anthony Garotinho (PR).

Mas tem uma turma que Garotinho perdoaria, sim, e que já está, inclusive, procurando o ex-governador para dizer que a velha conversa do “estamos juntos” começa a mudar de lado. Desde a onda de protestos, gente com cargo no governo e políticos do PMDB veem em Garotinho a possibilidade de se manter em cena se tudo der errado para Sérgio Cabral.

OLHO VIVO
Garotinho sabe que não pode confiar em todo mundo que trai o chefe no momento em que ele mais precisa. O deputado está alerta para saber separar ex-colaboradores que ficaram no governo por questão de emprego, daqueles que mudam de opinião com certa facilidade.

AVE, CHICO
Pelo amor de Deus. Que ninguém invente de levar nosso visitante ilustre para conhecer o Maracanã. Bênção de Papa argentino no palco da final da Copa não tem a menor chance de dar certo. Pronto, publiquei.

Você pode gostar