Por helio.almeida
Ex-prefeito pediu afastamento do cargoDivulgação

Brasília – Acusado de estupro de menores, o assessor especial da Casa Civil da Presidência da República Eduardo André Gaievski pediu afastamento do cargo. O também ex-prefeito de Realeza, no sudoeste do Paraná, é considerado foragido pela polícia. O processo corre em segredo de justiça no Fórum de Realeza.

A Justiça expediu um mandado de prisão preventiva contra o petista que é investigado por estupro de vulnerável enquanto ainda era prefeito. Segundo nota divulgada pela Casa Civil, o próprio assessor decidiu se afastar das funções que exercia até que “as circunstâncias e a veracidade das acusações sejam apuradas”.

O pedido de afastamento foi apresentado no sábado, mesmo dia em que veio a público a notícia de que a Justiça do Paraná decretou a prisão preventiva de Gaievski. Segundo reportagens, o assessor da Casa Civil é acusado de oferecer dinheiro a meninas em troca de sexo. O inquérito corre em segredo de Justiça.

Segundo o advogado que representa a família de três das supostas vítimas, Gaievski teve a ajuda de mulheres mais velhas para levar meninas de 13 e 14 anos a motéis e que os favores sexuais eram retribuídos com dinheiro e cargos na prefeitura.

Você pode gostar