Por thiago.antunes

Brasília - Embora já tenha assumido as funções há uma semana, o embaixador brasileiro Roberto Carvalho de Azevêdo toma posse oficialmente como diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), durante cerimônia nesta segunda-feira em Genebra, na Suíça. Ele é o primeiro latino-americano a assumir o cargo, em substituição ao francês Pascal Lamy.

A presidenta Dilma Rousseff enviou ontem uma mensagem a Azevêdo, por intermédio do chanceler Luiz Alberto Figueiredo Machado, na qual destaca a competência e a capacidade do embaixador brasileiro. Dilma ressaltou também, na mensagem ao brasileiro, a importância do fortalecimento dos mecanismos multilaterais. Para a presidenta, a experiência do embaixador poderá conduzir a OMC a um ordenamento mundial mais econômico e justo.

Disputas comerciais

O chanceler brasileiro discursará nesta segunda, seguindo o mesmo tom de Dilma e destacando que a OMC é fundamental na busca pelo equilíbrio nas disputas comerciais. Figueiredo deverá fazer um alerta de que as distorções comerciais podem atingir a economia mundial de forma frontal.

O ministro das Relações Exteriores pretende advertir sobre os riscos das medidas protecionistas, das restrições agrícolas, da concorrência desleal e da escalada tarifária. Figueiredo deverá lembrar que, em dezembro, haverá a 9ª Conferência Ministerial, em Bali, um esforço de retomar as negociações e as articulações multilaterais. Diplomata de carreira, 55 anos, Roberto Azevêdo ficará no cargo de diretor-geral em um mandato de quatro anos.

Reunião em Bali é decisiva

No último dia 1º, Roberto Cavalho de Azevêdo assumiu a Organização Mundial do Comércio, destacando que a prioridade será a conferência de Bali, em dezembro. “O encontro bem-sucedido proporcionará mais força para a economia global e para toda a OMC. Uma grande quantidade de trabalho e compromisso são necessárias, se quisermos ter sucesso”, declarou o embaixador.

Você pode gostar