Por helio.almeida

São Paulo - O velório do ex-baixista Champignon, encontrado morto na madrugada de segunda-feira, foi liberado para os fãs por volta das 22h. O enterro será realizado na terça-feira, no Cemitério Memorial Necrópole Ecumênica, onde está sendo realizado o velório. Ainda não há informação sobre a liberação dos fãs para a cerimônia de sepultamento.

Corpo do músico é velado em SantosAg News

A primeira parte foi restrita apenas aos familiares e amigos próximos. Os responsáveis pelo velório do músico liberaram a entrada dos fãs que aguardam em uma fila. É permitido apenas cinco pessoas por vez. A imprensa só poderá entrar no local na manhã desta terça-feira para acompanhar a cerimônia do ex-integrante do grupo Charlie Brown Jr., e atualmente era o vocalista da "A Banca".

De acordo com a polícia, Champignon cometeu suicídio na madrugada desta segunda-feira no apartamento em que morava na capital paulista. Chorão foi vítima de overdose de cocaína.

Gesto agressivo

O síndico do prédio onde morava o músico Champignon disse que o ex-integrante da banda Charlie Brown Jr. fez gestos agressivos no elevador do condomínio, no Morumbi, em São Paulo. Perguntado que gestos seriam, Gino Castro preferiu não comentar. A polícia trabalhado com a hipótese de suicídio.

"Tem, tem um gesto, mas eu prefiro não comentar. Vou deixar por conta da doutora (delegada)", disse Castro. Segundo o síndico, Champignon e a mulher Cláudia Campos chegaram à portaria do condomínio à 0h05. Eles voltavam de um jantar em um restaurante. Champignon e Cláudia passaram pelo hall caminhando lado a lado, sem dar as mãos e aparentemente sem conversar.

Carro que trouxe o caixão com o corpo do músico para o velórioAg. News

Informações indicam que no elevador, minutos antes de morrer, Champignon teria feito um gesto com os dedos como se estivesse cortando o pescoço. O síndico se recusou a comentar as imagens. Por volta das 4h da madrugada, o corpo do baixista foi encaminhado ao IML (Instituto Médico Legal).

"Vou entregar as imagens para a delegada. Eu vi todas, mas não vou falar nada. Elas mostram todo o percurso dele, da hora que chegou até entrar no apartamento", disse, antes de chegar no 89º DP, onde o caso está sendo investigado. Para o síndico, Champignon era um cara "tranquilo" que nunca deu "problemas" no prédio.

O delegado-geral, Maurício Blazeck, que apura a morte do músico Champignon, de 35 anos, contou nesta segunda-feira que informações preliminares dão conta que o ex-integrante da banda passava por dificuldades financeiras, e que esse teria sido o motivo da discussão no restaurante onde estava com a mulher antes de ser encontrado morto por ela, com um tiro no rosto, no apartamento do casal.

'Críticas artísticas incomodavam'

A delegada Milena Suegama diz que foram feitos dois disparos. O primeiro, no chão, para checar o funcionamento da pistola 380 e, depois, deu um tiro na cabeça. Vizinhos disseram ter ouvido barulho de tiro por volta de 0h30. O corpo do baixista foi levado para o Instituto Médico-Legal (IML) pouco antes das 5h.

Ela deu entrada no hospital às 2h32%2C e lá permaneceu por mais de quatro horasReprodução Internet

A delegada disse que a esposa foi muito clara: "Ela disse que ele não faz uso de drogas nem de medicamentos controlados. (...) As críticas artísticas estavam o deixando incomodado. Ele demonstrava frustração”, disse. Cláudia, que está gtrávida, foi levada para o Hospital Metropolitano às 2h32, e lá permaneceu por mais de quatro horas. O centro médico informou apenas que ela recebeu a alta, o que sinaliza que ela não teve complicações.

Luiz Carlos Leão Duarte Junior, nome de registro de Champignon, de 35 anos, foi encontrado com um tiro na boca. Segundo vizinhos, o disparo foi ouvido pouco depois da meia-noite. A polícia não descarta a possibilidade de suicídio. O baixista estava no local com sua mulher grávida, que foi atendida por médicos em estado de choque.

Morte de Chorão

A morte do músico acontece seis meses após o falecimento de Chorão, vocalista da banda com quem teve diversas brigas no passado. Ao saber da fatalidade, em março deste ano, Champigon lamentou a perda do parceiro. "A gente brigou algumas vezes na vida, mas graças a Deus restabelecemos a amizade", declarou.

Em abril, Champignon se lançou como vocalista do grupo A Banca, formado por integrantes do Charlie Brown Jr. Na ocasião, ele comentou sobre a falta de Chorão: "Se a gente ficar em casa, a gente morre também. A gente tem que ir para a estrada, a gente precisa disso porque sem a banda não existe vida."

Desentendimentos

A trajetória do Charlie Brown Jr. foi marcada por desentendimentos entre os integrantes. A mais grave ocorreu em 2005, quando Champignon, Marcão, Renato e Pelado deixaram o grupo alegando divergências musicais.

Em 2011, Champignon e o guitarrista Marcão voltaram a integrar o Charlie Brown Jr. Mas isso não significaria o fim das polêmicas. Em 2012, durante show em Apucarana (PR), Chorão deu uma bronca pública no baixista, dizendo que ele deveria "ficar muito grato" por ter sido aceito de volta após tê-lo acusado de roubar dinheiro do grupo.

Após ouvir a bronca calado, Champignon deixou o palco sob aplausos e gritos de "arregou". Dois dias depois, a banda divulgou um vídeo no qual Chorão se desculpou pelo ocorrido, dizendo que o problema estava resolvido. Em seguida, o baixista disse estar arrependido sobre o que falou do vocalista.

Trajetória

Criada em 1992, a banda Charlie Brown Jr. lançou nove discos de estúdio e teve diversas formações - Chorão foi o único a integrar todas elas.

O sucesso veio em 1997, com o lançamento do álbum "Transpiração Contínua Prolongada". Canções como "Proibida Pra Mim (Grazon)", "Tudo o que ela Gosta de Escutar", "Gimme o Anel" e "O Coro Vai Comê!" caíram no gosto do público, principalmente o jovem, e fizeram com que o disco vendesse mais de 500 mil cópias.

Outros hits da banda são "Te Levar", "Zóio de Lula", "Rubão", "Hoje eu Acordei Feliz", "Lugar ao Sol", "Papo Reto (Prazer é Sexo, o Resto é Negócio)", "Não é Sério", "Só Por Uma Noite", entre outras.

Outra briga famosa de Chorão foi com o músico Marcelo Camelo, em 2004. O vocalista do Charlie Brown Jr. deu um soco e quebrou o nariz do integrante do Los Hermanos, após ter sido criticado por fazer propaganda da Coca-Cola.

Com o Charlie Brown Jr., Chorão vendeu 5 milhões de discos. O roqueiro assinou dois roteiros e pretendia escrever biografia.

Amigos lamentam

A morte do músico Luiz Carlos Leão Duarte Junior, conhecido como Champignon, que integrou a banda Charlie Brown Jr., repercutiu nas redes sociais. Confira as mensagens deixadas na Internet:

Tico Santa Cruz, cantor
"Estado completo de Choque com a notícia sobre o Champignon! (...) Quanta gente má surge nessas horas de tristeza. Tenho dó de vocês que estão fazendo piadinhas e brincadeiras com algo tão triste."

Rogério Flausino, vocalista da banda Jota Quest
"Sem palavras pra descrever minha tristesa pela partida de Champignon. #VaiEmPaz meu irmão!! #Rip"

Lobão, músico
"Champignon morreu,meu Deus.Que absurdo.Que coisa mais triste."

Junior Lima, músico
"Acordei agora c a noticia do champ!!! To em choque!!!!! Perdi mais um irmao!!!!!!!! Nao to conseguindo acreditar!!!! Pqp!!!! Alguem sabe o pq?? Se ele deixou algum recado?? O q q aconteceu??? To perdido aqui sem informaçoes!!! NAO CONSIGO ACREDITAR!!!!!"

Preta Gil, cantora
"Champignon descanse em paz!!!!! muito muito triste!!!!"

Giovanna Lancellotti, atriz
"Gente... Champignon se matou !? Como assim ??? Mentira isso né ? [...] confirmou mesmo ?!! Nossa !!! :((( que triste"

Marina Ruy Barbosa, atriz
"Que triste... RT @g1: Músico Champignon é encontrado morto em SP http://glo.bo/15PpY8I"

Sabrina Sato, apresentadora
"To triste com a noticia sobre o Champion. Como assim? Tao jovem..."

Sônia Abrão, apresentadora
"Adeus, Champ...teu amigo Chorão vai te amparar lá no céu!"

Você pode gostar