Por julia.amin

A presidente Dilma Rousseff convocou para uma reunião de emergência nesta terça-feira, no Palácio do Planalto, os ministros das Comunicações Paulo Bernardo; da Justiça, José Eduardo Cardozo, e da Advocacia Geral da União, Luiz Inácio Adams, para discutir a proposta que cria um marco regulatório para a internet.

A intenção da presidente é inserir no projeto, que há anos tramita na Câmara, mecanismos que possam coibir a espionagem internacional como a que atingiu os contatos da própria presidente realizada pelo governo dos Estados Unidos.

O relator da proposta na Câmara, deputado Alessandro Molon (PT-RJ) também foi convidado para a reunião. Uma das propostas que a presidente quer garantir no projeto é de que a guarda dos dados sejam mantidos no Brasil, mesmo que os servidores de internet tenham sede no exterior.

Outro assunto que poderá entrar em pauta é a possível participação das empresas de telefonia nos episódios de espionagem, já que mensagens telefônicas e ligações da presidente também foram alvo de monitoramento.

Na segunda, por meio de nota , Dilma disse que, caso sejam comprovadas, as denúncias de espionagem americana a Petrobras evidenciam que o monitoramento dos EUA visam atender interesses econômicos e estratégicos e não somente a segurança nacional e o combate ao terrorismo.

"Sem dúvida, a Petrobras não representa ameaça à segurança de qualquer país. Representa, sim, um dos maiores ativos de petróleo do mundo e um patrimônio do povo brasileiro", afirmou a presidente.

Dilma garantiu também que o governo brasileiro obterá esclarecimentos do governo do presidente Barack Obama sobre todas as supostas violações e exigirá medidas concretas. "De nossa parte, tomaremos todas as medidas para proteger o país, o governo e suas empresas", acrescentou.

* As informações são da repórter Luciana Lima

Você pode gostar