Começa 4º júri do acusado de mandar matar missionária Dorothy Stang

Bida teria ordenado crime com outro latifundiário assassinato. Vítima trabalhava em projetos de desenvolvimento sustentável

Por O Dia

Pará - Começou nesta quinta-feira em Belém (Pará) o quarto julgamento do fazendeiro Vitalmiro Bastos de Moura, o "Bida", acusado de mandar matar Dorothy Stang, missionária americana assassinada em 12 de fevereiro de 2005 no município paraense de Anapu.

Em seu primeiro julgamento, em 2007, Bida foi condenado a 29 anos de prisão, mas a lei permitia a reabertura dos processos envolvendo réus com sentenças maiores de 20 anos. No segundo julgamento, em 2008, Vitalmiro foi inocentado. O Ministério Público recorreu da decisão e a sentença foi anulada. No terceiro julgamento, Bida foi condenado a 30 anos de prisão.

A decisão, no entanto, foi anulada pelo STF sob a alegação de que a defesa do fazendeiro não teve tempo para analisar o caso. Vitalmiro, que atualmente cumpre pena em regime semiaberto, retornou hoje ao banco dos réus no Tribunal de Justiça de Belém.

A promotoria acusa Bida de ordenar o assassinato de Stang em colaboração com outro latifundiário, Regivaldo Pereira Galvão, que foi condenado em 2012 a 30 anos de prisão e recorreu da decisão. Dorothy Stang, que tinha 73 anos quando foi morta, trabalhava ao lado de comunidades de Anapu em projetos de desenvolvimento sustentável.

O autor do crime, o pistoleiro Rayfran das Neves Sales, confessou o assassinato e foi condenado a 28 anos de prisão. Ele deixou o regime fechado para cumprir o restante da pena em prisão domiciliar em julho deste ano. Clodoaldo Carlos Batista, comparsa de Rayfran, foi sentenciado a 17 anos, mas após ser detido fugiu da prisão e está foragido.

Já Amair Feijoli da Cunha, o "Tato", foi condenado a 18 anos de prisão como intermediário do crime. Na audiência de hoje está previsto o depoimento de oito testemunhas, três de acusação e cinco da defesa, segundo um comunicado do tribunal, que pode emitir a sentença hoje mesmo.

Últimas de _legado_Brasil