Por bferreira

Rio - Do lado de fora do portão trancado da Câmara do Rio, na quinta-feira, um jovem chamou o vereador Cesar Maia (DEM) para cumprimentá-lo com a frase: “O sr. foi o melhor prefeito que meu pai já teve”, levando a crer que tratava-se do filho de um servidor municipal. Ele não deve saber que o hoje político que se diz de centro tem à esquerda (com trocadilho) de sua mesa no gabinete uma imagem do russo Vladimir Ilitch Lenin e já foi preso como subversivo em 1968. Filiado ao Partido Comunista Brasileiro (PCB), acabou exilado no Chile. Pré-candidato ao governo pelo DEM, Cesar recebeu O DIA para falar de política e deu um susto nos entrevistadores ao defender a possível candidatura a presidente do ruralista Ronaldo Caiado (DEM-GO). Também falou mal do governador Sérgio Cabral e, para não perder o costume, do prefeito Eduardo Paes, ambos do PMDB.

À esquerda de sua mesa no gabinete na Câmara%2C o vereador do DEM que se diz de centro tem uma imagem de LeninAndré Luiz Mello / Agência O Dia

O DIA: O sr. vai mesmo concorrer ao governo do Rio ou sua pré-candidatura é só um balão de ensaio?

CESAR MAIA: Na minha idade (68), depois de ter passado por tantas aventuras, iniciativas, ousadias, quem toma uma decisão sobre um dirigente do partido é a direção nacional. A decisão deles até hoje é que eu deva ser candidato a governador. Por duas razões. Uma de ordem prática: a prioridade do partido nesta eleição, como a de outros que não têm candidato a presidente competitivo, é formar bancada, que redunda em tempo de televisão, em fundo partidário, facilita a vida do partido. Segundo, como as pesquisas vão me dando 8%, 10%, e o líder tá com 20% ou 22%, termina sendo uma candidatura. O líder é Anthony Garotinho (PR) ou Lindbergh Farias (PT), dependendo da pesquisa. Vamos fazer no início de novembro uma pesquisa grande, que vai ser nosso grid de largada.

Com quais candidatos?

Garotinho, Lindbergh, Marcelo Crivella (PRB), eu mesmo, Milton Temer (Psol) e Miro Teixeira (Pros).

A sua hipótese é ser o candidato do Aécio Neves?

E se o Ronaldo Caiado (deputado federal do DEM-GO) for candidato a presidente?

Hein?

É um quadro de alta qualificação, grande orador. Vocês estão pegado o fato de uma origem em que a questão rural era criminalizada no Brasil. Estamos falando de um país em que o que segura é o agronegócio. O país mudou.

Mas, com relação à sua imagem, vindo de onde veio, Caiado não é overdose de direita, não?

Vocês estão imaginando que a média da população tenha essa informação a respeito da origem dele. Não tem.

Qual a grande falha do governo Cabral?

Tudo. O governo do Cabral não tem políticas públicas em área nenhuma das funções precípuas do estado — Educação, Saúde... É uma geleia geral. Pega o orçamento. Você imagina o governo do estado gastar em Saúde menos do que a prefeitura? Você acha isso admissível?

Na Segurança, o que o sr. acha que tem de acerto?

O programa de policiamento ostensivo nas favelas.

E de equívoco?

Cobertor curto. Tiraram a polícia do trânsito: caos no trânsito. Tentaram entregar para a Guarda Municipal, que não tem efetivo para isso. Aí, contrataram esses terceirizados da rua que ficam ali, que não têm experiência, nem autoridade. Tiraram do trânsito porque priorizavam policiamento ostensivo em favela.

Se eleito, o sr. manteria a UPP?

Evidentemente.

Expandiria?

Totalmente.

Qual a sua avaliação do fenômeno das ruas?

Em circunstâncias de apoio muito fortes — publicidade, meios de comunicação... —, o político acaba se prejudicando porque está se convencendo de que aquilo que está sendo visto na superfície é aquilo que as pessoas estão sentindo. Quando, de repente, surge um processo qualquer, que diz “o rei está nu”, e você olha e... opa, a Educação está mal, a Saúde está mal, a Segurança não vai bem, com exceção das UPPs. Então você passa a mudar sua avaliação. Essa máquina gigante de publicidade, de apoio político: todo mundo apoia Lula, todo mundo apoia Dilma... Isso leva o político a um patamar irreal, artificial.

Como será a campanha do sr.?

Do alto ou do baixo (risos) dos meus 68 anos, pretendo não fazer uma campanha juvenil.

O que o sr. chama de “juvenil”?

Ser “juvenil” é colocar o conflito na frente da marca que você quer registrar na campanha, por exemplo, “eu sou anti-qualquer coisa”, como o Lindbergh fez agora nos comerciais em relação ao PMDB. Ele criou naqueles comerciais uma enorme dificuldade de conciliação — ele foi ‘flagrado com a amante na esquina’. Ele foi pesado contra seu aliado. Eu não.

Mas, numa eleição para governador, é natural que os conflitos surjam com relação às questões estaduais...

Claro, no momento certo. Se eu acho que Pezão sozinho, apoiado por Cabral não tem chance nenhuma, eu vou jogar pedra em cachorro morto? Não faz sentido.

O sr acha que ele é “cachorro morto”?

Sim. Mas não descarto que lá na frente o PMDB apoie o Lindbergh. Chega lá na frente, esse aqui está sentindo que não tem nenhuma condição e esse aqui está sentindo que está difícil o páreo, abre cinco secretarias, o PMDB não adere? Você conhece o PMDB? Você não conhece o PMDB, né? Aqui no Rio, é só ideologia pura... (risos).

Alguma chance de juntar o sr. e Garotinho de novo numa aliança?

Não. Se o Caiado for candidato a presidente, minha candidatura vai ser isolada. Isso gera dificuldades. Mas também gera benefícios para aquilo que é mais importante para gente, que é eleger deputado.

Por que não?

Porque a gente fez uma parceria que foi muito correta e foi cumprida, nenhuma reclamação. Mas o eleitor dele não entendeu a parceria.

E o do sr?

Muito menos.

Paes poderia ser candidato e ‘salvar’ o PMDB em 2014?

Para perder? É outro cachorro morto. Não dá tempo para 2014, é cachorro mortíssimo.

Como o sr. avalia a presença da violência nas manifestações recentes?

É marginal...

“Marginal” no sentido de “sem importância”?

É. É tão marginal que eles entram depois que a manifestação está acabando. Na culminação é que surge um grupo de black blocs que se dizem anarquistas. Acho que aí, também, a pessoa olha e diz “não há autoridade”.

Que atitude o sr. teria numa situação como essa?

Não aconteceria comigo.

Mas e se acontecesse?

Comigo não aconteceria porque as pessoas olhariam e diriam “tem autoridade”. Não há autoridade na cidade, não há autoridade no estado. Isso é percebido.

Se o sr. não for candidato a governador, sairá a deputado federal?

Não. Eu sou vereador. Eu não saio mais do Rio, não. Estou na terceira idade.

Você pode gostar