Por tamyres.matos

São Paulo - No momento em que está embolada a disputa pelo governo em estados-chave, o vice-presidente Michel Temer aproveitou uma agenda pública ontem para reafirmar que o PMDB mantém “as candidaturas no Rio e em São Paulo”.

A declaração foi feita em São Paulo, onde ele esteve para ser homenageado na 9ª Edição do Prêmio Qualidade — Sinaprocim e Sinprocim, dos sindicatos Nacional da Indústria de Produtos de Cimento e da Indústria de Produtos de Cimento do Estado de São Paulo.

O presidente da Fiesp e Temer receberam um prêmio nesta segunda em São Paulo Divulgação

Com relação a São Paulo, Temer se referia à pré-candidatura do presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf — também homenageado ontem — , e no Rio, à do vice-governador Luiz Fernando Pezão. Nos dois estados, o PT da presidenta Dilma Rousseff também tem pré-candidatos: o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, em São Paulo; e o senador Lindbergh Farias, no Rio.

Quando um jornalista perguntou se as disputas poderiam atrapalhar sua relação com Dilma, ele garantiu: “Não podemos deixar que as disputas estaduais contaminem a disputa nacional. As prefeituras não contaminaram, e eu tenho certeza de que os estados também não vão contaminar.”

No Rio, no entanto, o clima já é de guerra. O PMDB do governador Sérgio Cabral e o PT estão juntos desde a sua primeira eleição, em 2006. Mas, com o lançamento de Lindbergh, a aliança chegará ao fim oficialmente com a entrega dos dois cargos que o PT ainda ocupa no governo — as secretarias do Ambiente e de Assistência Social e Direitos Humanos. Como a discussão em torno do melhor momento da saída estava rachando o PT no Rio, o presidente do partido, Rui Falcão, esteve na capital fluminense no dia 11 para acalmar os ânimos e, como fez Temer ontem, reafirmar a pré-candidatura da legenda.

Garotinho manda recado

No Rio, Anthony Garotinho (PR) mandou recado ontem a Jandira Feghali. Ao saber de nota dizendo que os dois se uniriam em 2014, Garotinho postou no seu blog que não tinha nada definido, mas provocou: “O pessoal do PCdoB sabe que aquilo que eu acerto, depois cumpro, bem diferente do que Cabral fez. Por isso, não haveria nada de estranho em formarmos uma aliança.” Jandira está na China.

Você pode gostar