Auditores da Prefeitura suspeitos de fraude são libertados em São Paulo

Magalhães, agente de fiscalização, também estava preso, mas foi liberado na última segunda após assinar um acordo de delação premiada

Por clarissa.sardenberg

São Paulo - Funcionários da Prefeitura suspeitos de terem participado de fraude no Imposto Sobre Serviços (ISS) de construtoras foram soltos na madrugada deste sábado. O prejuízo aos cofres públicos pode chegar a R$ 500 milhões.

Ronlison Bezerra Rodrigues,ex-subsecretário da Receita Municipal, Eduardo Horle Barcellos, ex-diretor do Departamento de Arrecadação e Cobrança e Carlos Di Lallo Leite do Amaral, ex-diretor da Divisão de Cadastro de Imóveis, estavam presos no 77º distrito policial, em Santa Cecília, região central da capital, desde 30 de outubro.

Eles não deram nenhuma declaração à imprensa.

Luís Alexandre Cardoso Magalhães, agente de fiscalização, também estava preso, mas foi liberado na última segunda após assinar um acordo de delação premiada. Magalhães estava afastado do cargo desde o dia 5 deste mês.

A Prefeitura anunciou em nota nesta sexta que os três auditores presos seriam afastados.

Nesta sexta, no final da tarde, os acusados foram levados para fazer exame de corpo de delito pela Polícia Civil no Instituto Médico Legal (IML). Após isso, voltaram à delegacia e ficaram presos até a meia-noite desta sexta-feira, prazo exigido pela Justiça e o Ministério Público (MP).

O promotor do caso, Roberto Bodini, disse que entende que o tempo de prisão temporária cumpriu sua finalidade e que vai pedir que os três auditores permaneçam presos. Bodini acrescentou que a investigação instaurada pelo MP de São Paulo não é partidária.

Auditores fiscais suspeitos de fraude são libertados em São PauloReprodução TV

Kassab sabia de tudo, afirma auditor preso sob suspeita de fraudar ISS

Ronilson Bezerra Rodrigues, que estava preso sob acusação de chefiar a quadrilha suspeita de fraudar o recolhimento do Imposto sobre Serviços (ISS) e de desfalcar os cofres municipais em ao menos R$ 500 milhões, o subsecretário da Receita na gestão Gilberto Kassab (PSD), disse em telefonema gravado com autorização da Justiça que o secretário e o prefeito com quem trabalhou "tinham ciência de tudo", segundo áudios revelados nesta quinta-feira pelo Jornal Nacional.

Kassab negou acusaçõesReprodução Internet

O diálogo ocorreu no dia 18 de setembro entre Rodrigues e uma pessoa chamada Paula, que seria a auditora fiscal Paula Sayuri Nagamati, ex-chefe de gabinete do secretário de Finanças na gestão Kassab, Mauro Ricardo. Ele reclama com a auditora de uma publicação no Diário Oficial da Cidade na qual era intimado a prestar esclarecimentos à Controladoria-Geral do Município (CGM) já na gestão de Fernando Haddad (PT).

"É um absurdo, Paula. Tinha de chamar o secretário e o prefeito também, você não acha? Chama o secretário e o prefeito com quem eu trabalhei. Eles tinham ciência de tudo", afirma Rodrigues, sobre a investigação da CGM, que, em parceria com o Ministério Público Estadual (MPE), resultou na sua prisão e de outros três auditores.

Em nota, Kassab afirma que as afirmações "são falsas" e que "repudia as tentativas sórdidas de envolver o seu nome em suspeitas de irregularidade que pesem contra funcionários públicos municipais admitidos há anos por concurso, cujo objetivo escuso é única e exclusivamente atingir a sua imagem e honra". Os ex-secretários de Finanças da gestão Kassab, Mauro Ricardo e Walter Aluísio Rodrigues, não foram localizados.

Últimas de _legado_Brasil