Mensalão: Ex-ministro José Dirceu se entrega na sede da PF em São Paulo

Além de Dirceu, outros nove réus já se entregaram

Por O Dia

Brasília - O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, aproveitou o feriado da Proclamação da República para expedir os 12 primeiros mandados de prisão dos 25 réus condenados no processo do Mensalão. O primeiro a se entregar à Polícia Federal — que é a força que deve cumprir as ordens judiciais —, em São Paulo, foi o ex-presidente do PT e deputado federal licenciado José Genoino. Na sequência, até as 22h desta sexta-feira, outros nove condenados se entregaram, entre eles o ex-chefe da Casa Civil do governo Lula José Dirceu. Ele se apresentou à Federal de São Paulo.

José Dirceu se entregou à Polícia Federal em São PauloEstadão Conteúdo

Na sede da Polícia Federal em Belo Horizonte (MG), se entregaram o publicitário e operador do Mensalão Marcos Valério; Cristiano Paz e Ramon Hollerbach, ex-sócios de Marcos Valério; Simone Vasconcelos, ex-funcionária de Valério; Kátia Rabello, ex-presidente do Banco Rural; e Romeu Queiroz, ex-deputado do PTB. Em Brasília, apresentou-se o ex-tesoureiro do PL Jacinto Lamas, que agora está no PR. O ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares prometeu se entregar neste sábado em Belo Horizonte. O ex-executivo do Banco Rural José Roberto Salgado se entregou em Brasília.

José Genoino foi o primeiro condenado a se entregarEstadão Conteúdo

Joaquim Barbosa também mandou prender o ex-diretor de marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato. Ele deve cumprir pena em regime fechado, e até as 23h desta sexta-feira não haviam se apresentado espontaneamente à polícia.

Cumprirão pena em regime fechado Pizzolato, Valério, Paz, Kátia, Salgado e Hollerbach. Em regime fechado, mas inicialmente em semiaberto: Dirceu, Delúbio e Simone. E em regime semiaberto Queiroz, Lamas e Genoino. Até segunda-feira, todos os que não estiverem em Brasília serão levados para a capital do país em um avião da Federal.

Joaquim Barbosa cumpriu o que prometeu, que era dedicar o feriado à ação penal 470, que é o processo do Mensalão. Assim, desde a manhã desta sexta-feira, o presidente do STF esteve reunido com assessores para estudar as condenações de cada réu, e as ordens de execução imediata das penas chegaram à sede da Polícia Federal, em Brasília, pouco depois das 16h. De lá foram enviados ofícios às superintendências regionais dos estados de cada condenado.

Alguns dos 12 réus que Joaquim Barbosa mandou prender conseguiram a possibilidade de ser julgados novamente por crimes específicos. Mas como têm mais de uma condenação, acabaram presos. É o caso de Genoino, Dirceu, Valério, Paz, Hollerbach, Kátia e Simone.

Petistas se dizem ‘presos políticos’

Ex-homens-fortes do PT, José Genoino e José Dirceu divulgaram textos em que atacam a decisão de Joaquim Barbosa e prometem cumprir a lei apesar de serem “inocentes”. No que chamou de “Carta Aberta ao Povo Brasileiro”, divulgada nesta sexta-feira, o ex-chefe da Casa Civil escreveu que o julgamento do Mensalão vai terminar como começou, “violando garantias individuais”, e que é “preso político de uma democracia sobre pressão das elites”. Em texto postado na quinta-feira em seu blog, Genoino afirmou que foi “condenado previamente numa operação midiática inédita” e que também se considera “preso político”.

Últimas de _legado_Brasil