Por julia.amin
Rio - Nas redes sociais só se comenta sobre um assunto: o famoso e polêmico aplicativo 'Lulu'. Após séculos sendo julgadas pelos homens, as mulheres resolveram se vingar. Em um aplicativo para celular, que só é permitida a entrada das meninas, elas julgam, em anonimato, a performance dos rapazes. O problema, no entanto, foi maior do que elas pensavam: eles se sentiram lesados. E segundo os leitores do Dia online, o aplicativo deve ser vetado na Justiça.
Mais de 56% dos leitores são contrários à ferramenta e acham que ela deve ser vetada na Justiça. Segundo o estudante de marketing Bernardo Vieira, o "Lulu" é uma invasão de privacidade. "Eu nunca quis estar nesse aplicativo. Além disso, eu tenho namorada e não acho legal com ela terem outras mulheres me avaliando", contou ele. A primeira petição contra o Lulu veio à tona na última terça-feira. Um estudante de Direito de 26 anos entrou com uma ação contra o aplicativo. Ele se sentiu ofendido ao saber que foi avaliado como “mais barato que um pão com manteiga”, “bafo da morte” e “aparadinho”.
Publicidade
Já pouco mais de 28% responderam que não ligam para esse tipo de aplicativo. O publicitário Guilherme Guedes está entre os 16% que acreditam que "tudo não passa de uma brincadeira". "A credibilidade do aplicativo é muito comprometida a partir do momento que as avaliações são anonimas. Mas acho que as pessoas não precisam levar tão a sério", disse ele, que manteve sua conta ativa.
Como deletar o perfil do Lulu
Publicidade
Não tem jeito. Se você é do sexo masculino e tem conta no Facebook, automaticamente já existe no aplicativo Lulu. Mas há um jeito — não muito simples, porém rápido — de deletar o perfil dos mais indignados e insatisfeitos. Basta acessar o link http://company.onlulu.com/deactivate. O site em inglês pode ser traduzido para português.
Depois, o usuário deve clicar em ‘remover meu perfil agora’ e esperar até 15 minutos. Se houver falhas, pode repetir o procedimento.
Publicidade
Outra alternativa é enviar um e-mail, indicando seu perfil para [email protected] e esperar que os responsáveis pelo aplicativo retirem-no do ar.