Por joyce.caetano

Namíbia - O Ministério das Relações Exteriores do Brasil confirmou neste sábado a identidade do brasileiro que morreu ontem, na queda de um avião na Namíbia, na África. Além do brasileiro Sérgio Miguel Pereira Soveral, outras 32 pessoas a bordo morreram na queda. Entre eles, dez moçambicanos, nove angolanos, cinco portugueses, um francês e um chinês.

O Itamaraty informou ainda que está prestando assistência consular à família por meio das embaixadas na região.

Um modelo Embraer 190 semelhante ao equipamento acidentado na NamíbiaDivulgação

"O governo brasileiro manifesta suas mais sentidas condolências às famílias das vítimas, ao governo e ao povo moçambicano e às demais nações que tiveram cidadãos vitimados pelo acidente", disse em nota.

O voo TM 470 saiu na sexta-feira da capital de Moçambique, Maputo, com destino a Luanda, capital de Angola, e era feito em uma aeronave Embraer 190. O avião foi fabricado em 2012 e passou a ser utilizado pela companhia africana em 17 de novembro do ano passado

Queda de 30 metros por segundo

O acidente aconteceu na região de Bwabwata, uma área remota que fica próxima à fronteira com Angola. De acordo com Tobias Günzel, diretor do Departamento de Aviação Civil da Namíbia, a aeronave começou a perder altitude a 38 mil pés de altitude (o correpondente a 12 mil metros) e bateu no solo.

"Todo esse movimento foi visto no radar, vimos que o avião desceu muito rapidamente, à razão de cerca de 30 metros por segundo. Perdemos o sinal do radar quando ele atingiu cerca de 3 mil pés acima do nível do mar", informou Günzel.

O vice-comissário da polícia namibiana, Willy Bampton, afirmou que as equipes de resgate encontraram os destroços queimados do avião na densa mata do Parque Nacional Bwabwata, que abriga muitos animais silvestres, como elefantes, leões e cachorros selvagens.

"O avião foi completamente carbonizado e não há sobreviventes", afirmou Bampton. Um guarda-florestal afirmou que as caixas-pretas do avião, incluindo o gravador de voz da cabine, foram localizados e entregues aos investigadores.

Você pode gostar