Por clarissa.sardenberg

Recife - A Polícia Civil de Pernambuco está investigando um caso de revenda ilegal de ossuários na Igreja de Santa Cruz, em Boa Vista, no Centro de Recife. De acordo com a denúncia recebida pela polícia, um funcionário do templo retirava as ossadas do local em que estavam, as escondia em fundos falsos no assoalho da igreja e depois revendia os ossos. Ele cobrava entre R$ 3 mil a R$ 4 mil cada ossuário.

Ossuários são encontrados em igreja no RecifeReprodução Internet

O Instituto de Criminalística (IC) enviou uma equipe ao local nesta quinta-feira para recolher os ossos encontrados no templo. A igreja foi vasculhada e novas ossadas foram encontradas, inclusive na torre do local.

Segundo advogado da Arquidiocese de Olinda e Recife, Ernesto Cavalcanti, 53 ossadas foram encontradas dentro da igreja. De acordo com Ernesto, o empregado do templo que fazia serviços gerais desapareceu. Após isso, o clérigo teria ido esvaziar o armário do homem, descoberto alguns ossos no local e acionado a polícia.

As investigações estão sendo conduzidas temporariamente pela delegada Patrícia Domingos, da Delegacia de Rio Branco enquanto o delegado de Boa Vista, Adelson Gomes, está de férias. Patrícia aguarda o laudo da perícia do IC e do IML para se pronunciar.

O funcionário acusado já teve mandado de prisão expedido, mas encontra-se foragido.

Venda de túmulos

Em novembro de 2013, a polícia de Recife instaurou um inquérito para apurar o superfaturamento na venda de túmulos no Cemitério de Santo Amaro. De acordo com a investigação, 34 irmandades privadas de fiéis da Arquidiocese de Olinda e Recife são proprietárias de cerca de 2 mil túmulos no local. As irmandades possuem administrações próprias, embora ligadas à Igreja Católica.

Segundo a polícia, pessoas relacionadas às funerárias estavam envolvidas no esquema ilegal. As sepulturas eram compradas por R$ 300 e revendidas por R$ 600 a R$800.

Polícia investiga revenda ilegal de ossuários em igreja no RecifeReprodução Internet


Você pode gostar