Movimento dos Trabalhadores Sem Teto encerra manifestação em SP

Protesto reuniu cerca de seis mil manifestantes e bloqueou vias da cidade por cinco horas

Por O Dia

São Paulo - Terminou, por volta das 9h desta sexta-feria o protesto do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), que reuniu seis mil manifestantes, e durou cinco horas. A passeata chegou a bloquear a Estrada do M'Boi Mirim, a Marginal Pinheiros e a Ponte dos Remédios, em São Paulo.

Os manifestantes fazem parte do Acampamento Nova Palestina, na zona sul, onde vivem quase 8 mil famílias. Eles reivindicam a revogação de um decreto municipal de utilidade pública, que destina a área ocupada (de 1 milhão de metros quadrados) para construção de um parque público.

“A manifestação ocorreu por conta da posição do prefeito Haddad, na última quarta-feira, de suspender as desapropriações tanto para obras de moradia, como para outras obras, e também pelo posicionamento que ele expressou publicamente sobre a ocupação Vila Nova Palestina”, disse Guilherme Boulos da coordenação do MTST. Para Boulos, o prefeito demonstra desconhecimento sobre a região, pois a 50 metros do terreno já existe o Parque Ecológico de Guarapiranga.

A prefeitura, no entanto, argumenta que o local é área de preservação ambiental. “A maior parte [do terreno] não pode ser usada para edificar moradias, porque é uma área de preservação ambiental", disse o prefeito Fernando Haddad.

A ocupação começou há pouco mais de um mês, com cerca de 2 mil famílias, e já quadruplicou. A explicação para isso, segundo Boulos, é o déficit habitacional, o aumento dos valores dos aluguéis e o aumento da especulação imobiliária. “O valor dos aluguéis aumentou muito, mais do que a capacidade das famílias mais pobres de pagar”, disse. “As ocupações cresceram por conta da demanda por moradia, não é decisão de um movimento aumentar as ocupações. Isso ocorre por conta de um problema social grave”, acrescentou.

Últimas de _legado_Brasil