Por tiago.frederico

A BMW conseguiu uma vitória no processo em que inicialmente havia sido condenada a indenizar a família do cantor João Paulo, que fazia dupla com Daniel. O juiz responsável pelo caso aceitou o recurso da montadora e o remeteu ao Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), onde uma nova decisão será tomada por um conjunto de magistrados.

João Paulo e DanielReprodução Internet


João Paulo morreu carbonizado em 12 de setembro de 2013, após sua BMW 328i/A capotar e explodir na Rodovia dos Bandeirantes (no quilômetro 40, no município de Franco da Rocha, na Grande São Paulo). Inicialmente, a causa do acidente foi atribuída ao próprio cantor, que teria feito uma manobra brusca em alta velocidade.

A família, entretanto, questionou e uma nova perícia estabeleceu que o capotamento foi resultante de uma perda de pressão do pneu dianteiro direito, e não de uma manobra brusca. O cantor também não poderia estar a 260 km/h, considerada a velocidade crítica de capotamento, já que o veículo só atingia 240 km/h.

Caberia, então, à BMW provar que não houve falha no equipamento, o que a empresa não foi capaz de fazer, na avaliação do juiz Rodrigo Cesar Fernandes Marinho, da 4ª Vara Cível Central de São Paulo.

R$ 400 milhões

Em outubro de 2013, a montadora foi condenada pela morte de João Paulo. Nas contas do advogado da família, Edilberto Acácio da Silva, o valor da indenização chega a R$ 400 milhões. À época, ele informou que tentaria elevar a quantia, pois ela não incluia os lucros gerados por músicas que João Paulo alegadamente viria a compor se estivesse ainda vivo.

Na última quarta-feira, o juiz Marinho aceitou o pedido da BMW e mandou o processo para o TJ-SP. Ainda não há data para novo julgamento.

A montadora informou que não se pronunciaria sobre a nova decisão. O advogado da família não foi localizado nesta sexta-feira.


As informações são do repórter Vitor Sorano, do iG São Paulo

Você pode gostar