Por clarissa.sardenberg
São Paulo - Subiu para 13 o número de mortes em consequência das enchentes que atingiram Itaóca entre a noite do último domingo e a madrugada desta segunda-feira. Nesta quarta, o corpo de Luciano Rodrigues dos Santos, 25 anos, foi encontrado boiando no Rio Ribeira de Iguape, no município de Iporanga, vizinho a Itaóca, no Vale do Ribeira. Há pelo menos 100 famílias desalojadas e 19 desabrigadas.

Nesse mesmo rio já tinha sido encontrado o corpo do menino Iago Henrique Mota de Oliveira, de 4 anos. Essas duas vítimas eram moradoras do bairro Guarda-Mão, o mais afetado pelo transbordamento do Rio Palmital, um afluente do Rio Ribeira de Iguape que atravessa a pequena cidade de Itaóca, com cerca de 3,2 mil habitantes. Acredita-se que outras vítimas possam também ter sido arrastadas pela força da correnteza para pontos mais distantes da cidade.

Chuva causou destruição no interior de São PauloMarcelo Camargo / Agência Brasil

Equipes do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil continuam com os trabalhos de buscas a 13 desaparecidos. “É um trabalho que, às vezes, é dificultado por alarmes falsos porque os cães farejadores que ajudam nessa tarefa indicam um local onde há mau cheiro e quando as equipes chegam ao ponto indicado veem que, na verdade, trata-se de um animal, um cachorro ou um cavalo morto”, explicou Erli Rodrigues Fortes, secretário municipal de Agropecuária de Itaóca.

Ele informou que o leito do Rio Palmital já voltou ao normal e não há mais pontos de alagamentos, apenas muito sujeita, lama, terra, destroços, pedaços de madeira, entre outros objetos deixados pelas inundações.

O estado de calamidade pública permanece e foi reconhecido pelo governador Geraldo Alckmin, que enviou equipes para auxiliar nos trabalhos, como técnicos do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) para fazer vistoria sobe riscos de novos deslizamentos. Ainda segundo Erli, a maioria dos desabrigados e desalojados foi para a casa de parentes e amigos.

A Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil do Ministério da Integração Nacional também reconheceu hoje a condição de calamidade pública. De acordo com o Ministério, no início desta semana, o Ministro da Integração Nacional, Francisco Teixeira, telefonou para o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, para oferecer ajuda à população atingida por esse forte temporal.

“Com a publicação da portaria, o Ministério da Integração Nacional poderá enviar ajuda, caso o município solicite, em ações de resposta e reconstrução, como por exemplo, envio de kitshigiene, dormitório e todo tipo de ajuda humanitária para o restabelecimento dos serviços essenciais", esclarece a nota da Pasta.

Fornecimento de água é precário na regiãoAgência Brasil