Por julia.sorella

Brasília - O deputado Assis do Couto, do PT, foi escolhido nesta quarta-feira para presidir a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados. Assis derrotou o deputado Jair Bolsonaro, do PP, que lançou candidatura avulsa, por dez votos a oito. O 1º vice-presidente do colegiado será o deputado Nilmário Miranda (PT-MG) e os 2º e 3º vices serão definidos posteriormente.

O deputado petista está no terceiro mandato de deputado federal e, atuou como titular da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural; e da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado.

Com a maior bancada na Câmara dos Deputados, o PT tem prioridade na escolha das comissões. Além da CDH, o partido vai presidir as comissões de Constituição e Justiça e de Cidadania, a de Seguridade Social e Família e a Comissão Mista de Orçamento.

Deputado petista Assis do Couto assumirá a presidência da Comissão de Direitos HumanosReprodução Internet

Polêmica com Bolsonaro

Após a polêmica candidatura do deputado Jair Bolsonaro, que gerou a revolta de ativistas, o partido petista resolveu assumir a Comissão de Direitos Humanos. O líder do PT, deputado Vicentinho explicou a escolha do partido pelo colegiado, que antes era comandado pelo Pastor marco Feliciano (PSC), “Não poderíamos deixar que a comissão caísse em mãos erradas”, disse Vicentinho.

Bolsonaro é conhecido pela sua postura conservadora e de enfrentamento a movimentos homossexuais e sociais. O deputado declarou recentemente que tinha interesse em presidir a comissão e caso assumisse o cargo ia lutar pela maioria. "Eu entendo que qualquer país tem que agir pela maioria. A minoria tem que se curvar, se calar. Eu quero respeitar a maioria" declarou.

Contra o Aborto

O nome de Assis do Couto foi escolhido recentemente, porém já tem causado insatisfação nas redes sociais. Além da queixa do deputado petista nunca ter sido ligado aos Direitos Humanos, e sim à questão da agricultura familiar, grupos ativistas argumentam a presidência de Assis por ele fazer parte da Frente Mista Em Defesa da Vida – Contra o Aborto, que reúne católicos e evangélicos contrários ao aborto.

A participação do parlamentar na Frente causa revolta pelo fato do aborto ser um tema persistente nos diálogos da Comissão de Direitos Humanos.


Você pode gostar