Por thiago.antunes

Rio - O deputado federal Chico Alencar (Psol-RJ) afirmou nesta sexta-feira que levará adiante a sugestão da Comissão Nacional da Verdade (CNV) para que a Câmara dos Deputados convoque militares envolvidos na morte do ex-deputado Rubens Paiva, em janeiro de 1971.

Ele anunciou que convidará deputados a subscrever a iniciativa da convocação dos que ainda estão vivos e se recusam a falar sobre o assunto. “Como, aliás, vergonhosamente têm feito o Ministério da Defesa e o Exército”, escreveu Chico Alencar em uma rede social.

Um dos depoimentos esperados é do general José Antonio Belham, que era major e comandava o DOI na época da morte de Paiva. Membros da CNV afirmaram na quinta-feira que o militar sabe o que aconteceu com o corpo do ex-deputado, mas se recusa a falar. A Comissão apontou Belham e o tenente Antônio Fernando Hughes de Carvalho como autores da tortura e morte.

As informações foram obtidas no depoimento de um militar identificado apenas como “agente Y”. Um assessor da comissão, entretanto, confirmou ao DIA que a testemunha é o coronel da reserva Armando Avólio Filho, ex-integrante do Pelotão de Investigações Criminais da Polícia do Exército.
Deputado federal, eleito pelo PTB, mesmo partido de João Goulart, Rubens Paiva foi cassado em 1964, logo após o golpe militar. Em 20 de janeiro de 1971, ele foi preso em casa no Rio por agentes da Aeronáutica, mas depois foi levado ao DOI-Codi e nunca mais foi visto.

Você pode gostar