Por bferreira

Brasilia - No Dia Internacional da Mulher, a presidenta Dilma Rousseff ocupou rede nacional de rádio e televisão para destacar o papel do público feminino no desenvolvimento em todos os setores. Dilma apresentou números da participação delas nos principais programas do governo federal e saudou as mulheres como a “maior força emergente no mundo”.

A presidenta Dilma falou em rede nacional sobre a participação das mulheres em programas do governoReprodução Internet

A presidenta ressaltou que, entre as 20 maiores economias do mundo, o Brasil é a que tem mais mulheres empreendedoras. E esse quadro, segundo ela, foi proporcionado pela abertura de linhas de crédito, como a do Programa Crescer, que tem 60% das operações feitas por mulheres. “Somos um país líder no empreendedorismo feminino porque a mulher brasileira tem a sensibilidade de perceber que, abrindo um negócio próprio, ela pode administrar melhor sua vida e a de sua família.”

No pronunciamento, Dilma também garantiu que o público feminino tem sido o mais beneficiado pelas ações governamentais como o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). Segundo ela, das quase 1 milhão de matrículas do programa, depois que foi integrado ao Brasil Sem Miséria, 650 mil são de mulheres. “São mulheres que saem definitivamente da pobreza, aprendendo uma profissão”, lembrou.

Dilma lembrou que 72% das propriedades da reforma agrária e 93% dos cartões do Bolsa Família estão em nome de mulheres. “Essas novas oportunidades garantem maior autonomia e independência às mulheres e são decisivas para romper o ciclo de violência em que muitas delas ainda vivem. No entanto, precisamos avançar ”, disse.

Como barreiras ainda a enfrentar, a presidenta apontou como principais preocupações o combate à violência doméstica e às desigualdades no ambiente de trabalho. Além de garantir o acesso de mulheres a postos de comando, Dilma lembrou que elas ainda precisam trabalhar. “Vejo que é preciso garantir mais creches para cortar a desigualdade pela raiz, dando às crianças pobres as mesmas oportunidades de crianças de classe média, mas também para facilitar o acesso de suas mães ao trabalho”, disse.

Dilma concluiu ressaltando que este é o século das oportunidades. “Este é o século do Brasil. E este é, sem dúvida, o século das mulheres. A mulher é a nova força que move o Brasil.”

ES protesta contra a violência

As mulheres tomaram as ruas de Vitória, no Espírito Santo, na tarde de ontem, para protestar por igualdade de direitos e políticas públicas voltadas à população feminina. A luta pelo fim da violência contra a mulher é a principal causa do movimento, já que, de acordo com o Mapa da Violência, realizado pelo Instituto Sangari, o Espírito Santo é o estado com maior taxa de homicídios de mulheres no Brasil, com 11,24 assassinatos a cada 100 mil. Em seguida, vêm Bahia (9,08) e Alagoas (8,84). A região com as piores taxas é o Nordeste, que apresentou 56,9 casos a cada 100 mil mulheres.

Você pode gostar