Por bferreira

Manaus - Um bebê de três meses morreu após ser soterrado no bairro Petrópolis, Zona Sul de Manaus, na manhã de ontem. A forte chuva que atinge a capital do Amazonas desde sexta-feira provocou o deslizamento de um barranco que derrubou a parede da casa onde a criança morava com a família. Um homem de 53 anos também morreu na sexta-feira, após ser esmagado por um muro.

De acordo com a Defesa Civil, a parede do quarto onde a criança estava desabou sobre a cama onde ela dormia. No momento do desmoronamento, o pai e outros dois filhos estavam na residência. Eles não tiveram ferimentos graves.

A Defesa Civil informou ainda que registrou desde a noite de sexta-feira até a manhã de ontem 37 ocorrências. De acordo com moradores do local, o barranco deslizou e derrubou a parede do quarto em cima da cama onde a criança dormia, por volta das 7h.

O pai do bebê e mais dois irmãos tiveram apenas escoriações pelo corpo e foram socorridos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e passam bem. O corpo da criança foi retirado do local com a ajuda do Corpo de Bombeiros.

A Defesa Civil condenou outra casa em risco no mesmo local. Representantes da Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (Semasdh) vão prestar atendimento à família da criança.

Outra vítima fatal da chuva foi um caseiro de 53 anos, que morreu após ser esmagado por um muro de um terreno na noite de sexta-feira. O local fica situado na rua Sabiá, bairro Campos Sales, Zona Oeste. De acordo com moradores, durante a chuva um barranco deslizou e o muro atingiu a vítima.
Ele chegou a ser socorrido por populares ainda com vida, mas morreu minutos depois, com traumatismo craniano.

Uma casa onde funcionava uma lan house, situada na Avenida Manaus 2000 com a Rua Walter Mestrinho, no bairro Japiim, foi arrastada pela enxurrada. Os destroços da casa de madeira ficaram presos na ponte que liga o Complexo viário Rodrigo Otávio, nas proximidades do Supermercado DB. O corpo foi removido para o Instituto Médico-Legal e até o início desta tarde não havia sido identificado por familiares.

“Só saberemos os danos ao certo quando parar de chover”, afirmou o chefe da Casa Militar, coronel Fernando Farias.

Você pode gostar