Marcha da Maconha pede a legalização da droga em São Paulo

Organizadores divulgam carta em que defendem manifestação pacífica; grupos tocam batuque e pintam faixas de protesto

Por O Dia

São Paulo - Cerca de três mil pessoas participam neste sábado da Marcha da Maconha em São Paulo. O grupo, que se concentrou por uma hora no vão livre do Masp, deu início ao ato por volta das 16h30. Até agora, o protesto segue tranquilo com a companhia da Polícia Militar. Os manifestantes ocuparam faixas da Avenida Paulista e caminharam no sentido Consolação. Com os lemas "coxinha é que faz mal, maconha é natural", "legalize já, para não morrer, para não matar", a marcha se estende pela cidade paulista.

Manifestantes iniciam Marcha da Maconha na Avenida PaulistaReprodução Twitter %40Caze


A organização da Marcha pede mudanças na legislação para que o usuário não seja confundido com traficante. Atualmente, a lei prevê apenas detenção de traficante, mas não faz a distinção entre traficante e usuário. Em nota de divulgação, a Marcha da Maconha diz que o ato é uma "manifestação absolutamente pacífica" e estende convite para a participação das famílias.

Participantes distribuiram folhetos com orientações de segurança para a manifestação, como não cair na provocação da polícia e o que fazer em caso de prisão. O ato terá um cordão de pessoas de mãos dadas do início ao fim e os organizadores pedem que os participantes não quebrem a corrente.

No folheto, há ainda orientações sobre o uso de drogas. "Não porte substâncias ilícitas. A gente ainda não legalizou!", diz o texto. No entanto, já há grupos de manifestantes fumando maconha.

Multidão tomou as ruas de Sâo Paulo durante atoReprodução Twitter %40marciabelcher


Últimas de _legado_Brasil