Matéria Salva!

Agora você pode ler esta notícia off-line

Matéria removida da seção links salvos
Publicidade

RS: Polícia prende quarto suspeito pela morte do menino Bernardo

Testemunhas dizem ter visto o carro de Evandro Wirganovicz, irmão de assistente social que confessou participação no crime, no lugar onde o corpo foi encontrado

Por fernanda.magalhaes

Rio Grande do Sul - O juiz Fernando Vieira dos Santos, da Comarca de Três Passos (RS), determinou a prisão temporária de Evandro Wirganovicz, neste sábado, após provas “veementes” apontarem que ele tenha estado, um ou dois dias antes do crime, nos arredores do local onde o corpo de Bernardo Uglione Boldrinifoi encontrado. Evandro foi preso neste sábado, e deve permanecer sob custódia por 30 dias, por indícios de participação em ocultação de cadáver.

Saudade.Depois da morte da mãe%2C em 2010%2C Bernardo sofreu vivendo com o pai e a madrastaarquivo pessoal

Em depoimento à polícia, Evandro nega a acusação. Ele é irmão de Edelvânia Wirganovicz, assistente social amiga da enfermeira Graciele Boldrini, madrasta de Bernardo, de 11 anos. No dia 14 de abril, Edelvânia confessou a morte do menino e indicou a localização do corpo. À polícia, ela disse que Bernardo foi morto com uma injeção letal e que participou da ocultação do corpo por dinheiro.

Assim como Edelvânia e Graciele, o pai de Bernardo, o médico Leandro Boldrini, também está em prisão temporária. Ele nega participação no crime.

Segundo o magistrado, além da prova testemunhal, há o fator de que o terreno em que o corpo do garoto foi ocultado é de difícil escavação, por isso a presença de um homem na cena do crime “é algo verossímil”. “Demais disso, deve-se ponderar que o representado teria estado no local antes do assassinato de BERNARDO, o que pode indicar, desse modo, a premeditação do fato, a implicá-lo (ao representado), no mínimo, como partícipe por auxílio no crime de homicídio, e não apenas na ocultação do cadáver”, escreveu Santos em sua decisão.

Você pode gostar
mais notícias
RS: Polícia prende quarto suspeito pela morte do menino Bernardo | | O Dia
Matéria Salva!

Agora você pode ler esta notícia off-line

Matéria removida da seção links salvos
Publicidade

RS: Polícia prende quarto suspeito pela morte do menino Bernardo

Testemunhas dizem ter visto o carro de Evandro Wirganovicz, irmão de assistente social que confessou participação no crime, no lugar onde o corpo foi encontrado

Por fernanda.magalhaes

Rio Grande do Sul - O juiz Fernando Vieira dos Santos, da Comarca de Três Passos (RS), determinou a prisão temporária de Evandro Wirganovicz, neste sábado, após provas “veementes” apontarem que ele tenha estado, um ou dois dias antes do crime, nos arredores do local onde o corpo de Bernardo Uglione Boldrinifoi encontrado. Evandro foi preso neste sábado, e deve permanecer sob custódia por 30 dias, por indícios de participação em ocultação de cadáver.

Saudade.Depois da morte da mãe%2C em 2010%2C Bernardo sofreu vivendo com o pai e a madrastaarquivo pessoal

Em depoimento à polícia, Evandro nega a acusação. Ele é irmão de Edelvânia Wirganovicz, assistente social amiga da enfermeira Graciele Boldrini, madrasta de Bernardo, de 11 anos. No dia 14 de abril, Edelvânia confessou a morte do menino e indicou a localização do corpo. À polícia, ela disse que Bernardo foi morto com uma injeção letal e que participou da ocultação do corpo por dinheiro.

Assim como Edelvânia e Graciele, o pai de Bernardo, o médico Leandro Boldrini, também está em prisão temporária. Ele nega participação no crime.

Segundo o magistrado, além da prova testemunhal, há o fator de que o terreno em que o corpo do garoto foi ocultado é de difícil escavação, por isso a presença de um homem na cena do crime “é algo verossímil”. “Demais disso, deve-se ponderar que o representado teria estado no local antes do assassinato de BERNARDO, o que pode indicar, desse modo, a premeditação do fato, a implicá-lo (ao representado), no mínimo, como partícipe por auxílio no crime de homicídio, e não apenas na ocultação do cadáver”, escreveu Santos em sua decisão.

Você pode gostar
mais notícias