Por tamara.coimbra
Tortura de Ane Kely foi filmada pelos suspeitosReprodução / TV Globo

São Paulo - Os três suspeitos por torturar e matar a manicure Ane Kelly Santos, de 26 anos, em Barueri, na grande São Paulo, afirmaram em depoimento nesta segunda-feira, no Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), que ao invés de biscoitos, a vítima havia furtado R$ 27 mil, dinheiro proveniente de furtos e roubos de motos, além de fraudes em máquinas caça-níqueis.

O dinheiro teria sido levado de um cofre do suspeito J.N.P, de 21 anos. Desconfiado, ele encontrou a mulher em uma padaria e ofereceu uma carona. Junto com V.L.O. (27) e R.F.S. (27), o suspeito levou a vítima até um barraco na favela do Açucará, que fica a aproximadamente três quilômetros e meio da casa da namorada de R.F.S.

De acordo com a polícia, a manicure teria assumido aos três suspeitos que tinha furtado o dinheiro e, a partir daí, foi torturada por eles. Depois, o trio levou a mulher a uma cova onde ela foi golpeada com uma enxada. Em seguida, a vítima foi enterrada.

Os suspeitos confessaram o crime e tiveram prisão de 30 dias decretada pela Justiça. As investigações prosseguem.

A polícia chegou à autoria do crime após receber uma denúncia com um vídeo que os criminosos fizeram durante o sequestro. Eles foram reconhecidos e presos. Na Internet, pessoas próximas a manicure divulgaram relatos sobre o sumiço de Ane, que teria ocorrido no dia 24 de abril, dia em que teria saído para comprar pão e não retornado.

Você pode gostar