Por leonardo.rocha

Rio - Com postagens impregnadas de preconceito, elitismo e discriminação, páginas do Twitter vêm mostrando um lado ainda sombrio da sociedade brasileira deixado de herança pela história colonial. Frases de gosto duvidoso são postadas com naturalidade por usuários da rede social em páginas que ganharam notoriedade e já acumulam mais de 10 mil seguidores. Na conta @aminhaempregada, jovens, em sua maioria, despejam frases de puro preconceito com pessoas que supostamente trabalham em suas casas.

Usuários da página "A Minha Empregada" hostilizam as empregadas domésticasReprodução Twitter


"Como vou assistir João e Maria se aquela arrombada da minha empregada perdeu o cabo da minha caixa de som? Vou matar essa ordinária!"

"Minha empregada não chega, disse que está sem ônibus. Minha casa está imunda! Vem andando!"

"Minha empregada é muito burra, às vezes tenho vontade de tirar essas banhas dela com uma faca de cozinha."

Com a descrição "A chibatada é serventia da casa (contém ironia e tristeza)", o perfil retuíta mensagens postadas por pessoas de todo o Brasil. O criador da página, que não quis se identificar, afirma que não recebeu nenhuma resposta ou reclamação das pessoas expostas em sua página. Ele ainda revelou que o objetivo é apontar o racismo e o preconceito, ajudando as pessoas a se conscientizarem de suas atitudes.

Projeto de lei

O Projeto de Lei Complementar 302/13, que regulamenta os direitos e deveres do empregado doméstico no Brasil, tramita há quase um ano na Câmara dos Deputados. Segundo o órgão, a última ação legislativa ligada ao tema aconteceu no final de abril, quando a pauta foi enviada ao Senado para que seja proferido parecer às Emendas do Plenário.

Pagamento de horas extras, seguro contra acidente de trabalho, adicional noturno, indenização por demissão sem justa causa e seguro-desemprego são alguns dos benefícios que passam a ser obrigatórios em contrato. O projeto também restringe o trabalho doméstico para maiores de 18 anos e a carga horária em, no máximo, 44 horas semanais.

Outros casos

Já nas página @NaoSouRacista e @NaoSouHomofobco o preconceito vem de gente que diz aceitar o convívio com pessoas de cor negra e homossexuais de quais os cercam, mas que na internet destilam veneno e opiniões degradantes.

"Ninguém gosta de preto disfarçado de branco"

"Não sou racista, racismo é crime e crime é coisa de preto"

"O problema maior do vôlei é ter muito viado e sapatão, tudo burro essa raça"

No Brasil, racismo e preconceito são considerados crime. A punição prevista pela lei é a pena de reclusão de um a três anos mais multa para quem praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional.


Reportagem: Leonardo Rocha

Você pode gostar