Por thiago.antunes

Brasília - Faltando 20 dias para o início das convenções partidárias, as alianças em torno da candidatura à reeleição de Dilma Rousseff começam a ser definidas. Na próxima terça-feira, dia 27, o PP pretende oficializar o apoio à reeleição da presidenta. Com isso, o PP espera acabar com as especulações de que o partido poderia não se coligar oficialmente com o PT, conforme ocorreu em 2010.

Os adversários de Dilma na corrida presidencial trabalham para evitar a aliança PT/PP e, dessa forma, impedir que o tempo de TV seja usado nos programas gratuitos de rádio e televisão de Dilma. A aliança foi fechada entre o presidente do PT, deputado Rui Falcão, e presidente do PP, senador Ciro Nogueira (PI).

Dos 27 diretórios do PP, apenas quatro hoje são contrários à coligação com a candidatura da presidenta: Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Acre e Rio de Janeiro. Em Minas Gerais, a preferência é pelo tucano Aécio Neves. O mesmo acontece no Acre, onde o partido lidera a oposição ao governador Tião Viana (PT). No Rio, o senador Francisco Dornelles (PP) também apoia o tucano.

Amanhã, será a vez de o PTB se posicionar favoravelmente à candidatura de Dilma. Na segunda-feira, o PSD do ex-prefeito Gilberto Kassab também garantiu apoio à reeleição de Dilma. Para fechar a coligação governista falta uma definição do PR.

Você pode gostar