Por tamara.coimbra

Maranhão - Ao longo do 11º dia de greve dos motoristas e cobradores de ônibus de São Luís, representantes da prefeitura e do sindicato patronal tiveram uma série de reuniões na tentativa de apresentar uma resposta às reivindicações dos trabalhadores e pôr fim à paralisação. O secretário de Trânsito e Transportes do município, Canindé Barros, disse que pretendia discutir até o fim deste domingo os detalhes da proposta feita aos empresários e, em caso de acordo, apresentá-la aos grevistas.

Segundo o secretário administrativo do Sindicato dos Rodoviários, Isaías Castelo Branco, o sistema de transportes continua 100% parado, e esta é, até o momento, a expectativa para o início desta segunda-feira, já que ainda não foi marcada nenhuma nova reunião.

Para o secretário municipal, porém, a esperança é que os empresários aceitem três promessas do Poder Público: o combate às fraudes na gratuidade e meia passagem, usadas por pessoas que não têm direito ao benefício, a redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) do combustível dos veículos e a extinção da prática conhecida como “domingueira”, que é a cobrança reduzida da tarifa nos fins de semana e feriados.

O secretário Canindé informou que o combate às fraudes seria uma medida gradual, a ser tomada nos próximos meses, a fim de reduzir o número de pessoas que usam inadequadamente a gratuidade e o passe escolar, índice que chega a 42% na capital maranhense.

A retirada ou a participação do estado no pagamento do ICMS ainda é objeto de discussão pela prefeitura, que não havia concluído suas reuniões com os empresários até o fechamento desta reportagem.

Já os trabalhadores reivindicam aumento salarial de 11%, 40% de reajuste do tíquete-alimentação, inclusão de mais um dependente no plano de saúde, implantação do plano odontológico e seguro de vida. Isaías Castelo Branco disse que, como está aberta à negociação, a categoria chegou a negociar na última sexta-feira um reajuste menor, de 7,8% no salário e de cerca de 18% no tíquete, proposta negada pelos empresários.

Nesta segunda, os diretores do Sindicato dos Rodoviários vão se reunir com a equipe jurídica da entidade para avaliar a situação e ver se há alguma resposta. Caso não haja novidade, pretendem manter o movimento, mesma posição aprovada pelos trabalhadores em assembleia na última quinta-feira.

Você pode gostar