Por tamara.coimbra

São Paulo - O casal preso suspeito de matar e esquartejar o zelador Jezi Lopes de Souza, de 63 anos, passou a primeira noite preso em São Paulo. O publicitário Eduardo Tadeu Pinto Martins, de 47 anos, e sua mulher, a advogada Ieda Cristina da Silva Martins, de 42 anos, estão detidos no 13º DP, na Casa Verde. Ainda nesta terça-feira, devem ser transferidos para um centro de detenção provisória.

O casal foi preso nesta segunda. Segundo informações da polícia, o publicitário confessou o crime. Ele teria dito aos policiais que matou o zelador, colocou o corpo em uma mala e fugiu para Praia Grande, no litoral paulista.

Policiais prenderam Martins quando queimava o corpo de SouzaFolhaPress

O corpo do zelador foi encontrado esquartejado na casa da família do publicitário, no litoral paulista. A família do zelador desconfiava que o suspeito estava envolvido no desaparecimento, ocorrido na última sexta-feira. Jezi era zelador de um prédio na zona norte de São Paulo havia cinco anos.

As imagens de segurança do condomínio mostram que, por volta das 15h30, o zelador desceu em um dos andares para entregar cartas, mas não retornou nem pelo elevador nem pelas escadas.

Ainda segundo o registro policial, uma moradora do 11º andar disse ter ouvido uma discussão em um apartamento do mesmo andar, cujo morador, segundo ela, não teria um bom relacionamento com o zelador.

As câmeras internas do prédio mostram que, por volta das 17h, esse morador do 11º andar e a esposa arrastaram uma mala e um saco grande até um Logan preto. Questionado pela polícia, o morador admitiu não ter uma boa relação com o zelador, mas negou que tenha acontecido algo de errado entre eles naquele dia.

Os policiais vasculharam o apartamento do casal e encontraram mala e sacos similares aos exibidos pela gravação do prédio. Mas verificaram que dentro deles havia roupas e tênis. Depois, desceram com a mulher até o estacionamento e verificaram que dentro do automóvel do casal estava uma mala parecida com as da filmagem, mas dentro delas também só tinham roupas.

Jesi Lopes de Sousa%2C de 63 anos%2C estava desaparecido desde sexta-feiraReprodução / TV Globo

Indagados pelos policiais, os dois moradores contaram que tinham ido levar as roupas para uma igreja, mas retornaram porque ela estava fechada no dia. Os policiais informaram na delegaia que não visualizaram nenhum sinal de violência no apartamento do casal ou no veículo.

Mas ao chegar à casa da família do publicitárioa, em Praia Grande, policiais encontraram pedaços do corpo espalhados em sacos plásticos.

Flagrado com despojos da vítima

O delegado Ismael Rodrigues contou que ao chegar nesta segunda-feira à casa onde o publicitário Eduardo Tadeu Pinto Martins estava, na Praia Grande, o encontrou próximo ao saco com o corpo de Jesi Lopes de Sousa. Os despojos estavam ao lado de uma churrasqueira e apresentavam queimaduras.

Segundo o policial, Martins havia cortado o corpo de Souza com um serrote e planejava incinerá-lo na churrasqueira. Ao chegar, os policiais flagraram o publicitário tentando queimar as vísceras do zelador. “O cenário era muito feio”, afirmou o delegado.

Ao ser preso, Martins admitiu ter matado o empregado de seu prédio, mas alegou que a morte foi acidental, durante uma briga. Ele contou que serrou o corpo no domingo e na segunda planejava queimá-lo.

O advogado Robson Alves de Souza, contratado pela família do zelador para acompanhar o caso, contou que a rixa entre ele e o casal começou por causa de uma briga por vaga na garagem. A partir daí, Souza passou a ser perseguido por Martins. Uma vizinha de andar do publicitário contou ter ouvido, no dia do crime, uma discussão no corredor do 11º andar e, ao olhar pelo olho mágico, o viu fechando a porta de seu apartamento.

Você pode gostar