Suspeito de matar zelador em SP tinha documentos falsos

Foram encontrados ainda anestésico e uma touca ninja

Por O Dia

Policiais prenderam Martins quando queimava o corpo de JeziFolhaPress

São Paulo - A Polícia Civil encontrou uma carteira de identidade e uma de motorista falsificadas dentro de uma mala do publicitário Eduardo Martins, de 47 anos, acusado de matar na semana passada o zelador Jezi Sousa, de 63 anos, em São Paulo. Os nomes eram de outra pessoa, mas as fotos eram dele.

Além dos documentos, foram encontrado anestésico e uma touca ninja. Eduardo está preso temporariamente no 77º DP (Santa Cecília) após confessar ter esquartejado, ocultado e queimado o corpo do zelador.

Para a polícia, o publicitário já havia premeditado o crime, e a sua esposa, a advogada Ieda Martins, de 42 anos, o ajudou com os conhecimentos em Direito para que ele sumisse com o corpo, sem que Eduardo fosse considerado suspeito.

O caso

O zelador desapareceu no prédio onde trabalhava na Casa Verde (zona norte) na última sexta-feira. As imagens de segurança do condomínio mostram que, por volta das 15h30, o zelador desceu em um dos andares para entregar cartas, mas não retornou nem pelo elevador nem pelas escadas.

Ainda segundo o registro policial, uma moradora do 11º andar disse ter ouvido uma discussão em um apartamento do mesmo andar, cujo morador, segundo ela, não teria um bom relacionamento com o zelador.

As câmeras internas do prédio mostram que, por volta das 17h, esse morador do 11º andar e a esposa arrastaram uma mala e um saco grande até um Logan preto. Questionado pela polícia, o morador admitiu não ter uma boa relação com o zelador, mas negou que tenha acontecido algo de errado entre eles naquele dia.

Os policiais vasculharam o apartamento do casal e encontraram mala e sacos similares aos exibidos pela gravação do prédio. Mas verificaram que dentro deles havia roupas e tênis. Depois, desceram com a mulher até o estacionamento e verificaram que dentro do automóvel do casal estava uma mala parecida com as da filmagem, mas dentro delas também só tinham roupas.

Indagados pelos policiais, os dois moradores contaram que tinham ido levar as roupas para uma igreja, mas retornaram porque ela estava fechada no dia. Os policiais informaram na delegaia que não visualizaram nenhum sinal de violência no apartamento do casal ou no veículo.

Zelador Jezi Lopes de Sousa%2C de 63 anosReprodução / TV Globo

Suspeitos de assassinato no Rio

O casal que chocou o Brasil ao participar do assassinato de um zelador em São Paulo, pode ter envolvimento em outro homicídio, desta vez no Rio de Janeiro. O delegado Geraldo Assed, da 36ªDP (Santa Cruz) afirmou que eram frequentes as brigas entre Ieda Cristina Martins e seu ex-marido, José Jair Farias, morto em 2005. O caso voltou à tona após a advogada e seu atual marido, o publicitário Eduardo Tadeu Pinto Martins, estarem envolvidos na morte de Jezi Lopes de Sousa, de 63 anos, que estava desaparecido deste o dia 30 de maio e foi encontrado esquartejado, na capital paulista.

José Jair morreu no dia 20 de dezembro de 2005, com dois tiros de pistola 380, na Estrada dos Palmares, em Santa Cruz, na Zona Oeste. E na casa de Ieda, em São Paulo, foram encontradas munições e um silenciador para a arma do mesmo calibre. Ieda e José se conheceram na década de 1990 e moraram juntos no Rio de Janeiro por cerca de cinco anos. Desse casamento nasceu um rapaz, que hoje tem 19 anos.

O delegado revelou que Eduardo Tadeu Pinto Martins havia sido convocado para depor sobre o assassinato de José Jair. No entanto, por talvez já estar morando fora do Rio, não foi localizado pela polícia.

Últimas de _legado_Brasil