Ex-goleiro Edinho é solto após passar oito dias preso em Santos

Filho de Pelé foi condenado a 33 anos de prisão no dia 30 de maio por associação ao tráfico de drogas

Por O Dia

Santos - O goleiro Edson Cholbi do Nascimento, o Edinho, filho de Pelé, deixou na tarde desta terça-feira a cadeia na qual estava preso há uma semana em Santos, no litoral de São Paulo. O ex-goleiro do Santos estava preso após ser condenado a 33 anos de cadeia acusado de lavagem de dinheiro, proveniente do tráfico de drogas, e foi liberado através de liminar de habeas corpus.

O ex-goleiro Edinho%2C filho de Pelé%2C foi condenado pelo crime de lavagem de dinheiro, proveniente do tráfico de drogasDivulgação

Edinho, que estava detido na cadeia anexa do 5º Distrito Policial de Santos, chegou a ser transferido para o Centro de Detenção Provisória de São Vicente, mas retornou à delegacia. O atleta saiu acompanhado da irmã Kelly Nascimento e de seu advogado Eugênio Malavasi.

A liberação de Edinho estava prevista para segunda-feira, mas foi adiada porque, segundo a Justiça, o filho de Pelé teria de ser monitorado 24h por uma tornozeleira eletrônica, e a Polícia Civil não teve acesso ao equipamento.

Edinho terá de comparecer em juízo uma vez por mês e comunicar à Justiça sobre uma eventual mudança de residência ou ausência de, pelo menos, oito dias. O ex-goleiro foi julgado na 1ª Vara Criminal da Praia Grande-SP e teve que entregar o passaporte para evitar fuga, como isso não aconteceu, ele acabou preso. Contudo, o habeas corpus será julgado em cerca de 40 dias e, se for negado, o atleta poderá ser preso novamente.

O Caso

Edinho foi preso em junho de 2005 em Santos acusado de ter ligações com Ronaldo Duarte Barsotti, mais conhecido como "Naldinho", apontado pela polícia como um dos principais traficantes da área. Na época, o ex-goleiro negou as acusações e afirmou ser apenas dependente químico.

Em 17 de dezembro de 2005, o filho de Pelé foi solto ao obter um habeas corpus no Superior Tribunal Federal (STF). Mas, em fevereiro de 2006, o Ministério Público denunciou o ex-goleiro por lavagem de dinheiro. A denúncia resultou em uma nova prisão, 47 dias após conseguir a liberdade. A defesa chegou a requisitar várias vezes o habeas corpus de Edinho, mas todos foram negados.

No dia 21 de dezembro de 2006, a ministra Ellen Gracie havia negado pedido de habeas corpus feito pela defesa do ex-jogador. No entanto, sete dias depois, os advogados pediram reconsideração da decisão. O ex-goleiro, então, saiu da Penitenciária de Tremembé um dia depois do pedido.

Últimas de _legado_Brasil