Mulher diz que cabelo black power dificultou retirada de passaporte

Caso ocorreu em posto da PF em Salvador; órgão explica que é preciso ter o rosto totalmente visível na foto do documento

Por O Dia

Lília diz que precisou amarrar cabelo com borracha de escritório Reprodução Facebook

Salvador - Uma mulher de 34 anos precisou prender seu cabelo estilo "black power" para conseguir renovar seu passaporte, emitido pela Polícia Federal (PF), em um posto de Salvador, na Bahia. De acordo com a denúncia de Lília de Souza, ela passou por uma situação constrangedora ao ter que usar um elástico para prender o cabelo, que escondia seu rosto.

De acordo com informações da PF, a situação foi provocada porque o sistema de emissão de passaporte segue um padrão que exige que o rosto da pessoa esteja em determina dimensão e totalmente visível na foto.

Na denúncia publicada em um blog, ela conta que tentou várias vezes, mas o sistema não aceitou seu registro. "Eu ainda insisti em fazer a foto com o meu cabelo solto, ela [a PF] tentou algumas vezes e o sistema não permitiu. Tive que prender meu cabelo com uma borracha daquelas de escritório, que eles arrumaram e me deram", contou a mulher. Lília ainda conta que chorou ao sair do posto do SAC e chegou a voltar para reclamar da situação ao qual foi submetida.

A Polícia Federal afirma que a situação não se configura como uma discriminação, já que é necessário que o rosto da pessoa esteja completamente visível na foto que será impressa no documento. Segundo a polícia, a foto tem que ser refeita em situações como: cabelo solto, na frente dos olhos, cabelo muito volumoso, olho fechado, adornos diversos, ombros ou orelhas que não estejam visíveis e fotos desfocadas.

Contudo, o episódio será analisado a fim de resolver se o sistema deverá passar por qualquer processo de adequação.


Últimas de _legado_Brasil