Corpo de Ariano Suassuna é enterrado no Recife

Despedida de Suassuna reuniu familiares, amigos e fãs, após 16 horas de velório

Por O Dia

Recife - O corpo do escritor, dramaturgo e poeta Ariano Suassuna foi enterrado na tarde desta quinta-feira no cemitério Morada da Paz, em Paulista, na Grande Recife. Após 16 horas de velório, o sepultamento foi acompanhado por familiares, amigos, admiradores e governistas.

O caixão chegou ao cemitério por volta das 17h, após um cortejo em carro aberto, em um veículo do Corpo de Bombeiros. Ainda no palácio, netos de Ariano carregaram o caixão até o carro, ao mesmo tempo em que os presentes aplaudiam e cantavam o frevo "Madeira que cupim não rói", além do grito de guerra do Sport, time do coração do autor.

Galeria: Familiares e amigos dão o último adeus ao escritor Ariano Suassuna

Familiares e amigos se despedem do escritor Ariano SuassunaAgência Brasil


Durante o funeral, dois poemas de Suassuna fora lidos a pedido da viúva, Zélia de Andrade Lima. Muito emocionado, um dos netos do casal, João Suassuna, recitou "Acahuan", que Ariano escreveu em homenagem a seu pai, e "A mulher e o reino", feito para a esposa.

Um dos filhos de Ariano, o artista plástico Dantas Suassuna, acompanhou o caixão do pai durante o trajeto. A curta cerimônia de sepultamento contou ainda com salva de tiros, a execução instrumental da Ave Maria e da Oração de São Francisco, além de uma chuva de pétalas.

Ariano Suassuna, de 87 anos, morreu na última quarta-feira vítima de um Acidente Vascular Cerebral (AVC) hemorrágico e estava em coma, respirando com a ajuda de aparelhos. Ele foi submetido a uma cirurgia mas não resistiu ao tratamento. Segundo boletim médico, o escritor faleceu às 17h15, no Real Hospital Português.

Velório

O corpo de Ariano Suassuna começou a ser velado por volta das 23h desta quarta-feira, no Palácio do Campo das Princesas, sede do governo estadual. Uma missa de corpo presente foi iniciada após a chegada do caixão, que foi conduzido por policiais militares e recebido pelo governador João Lyra Neto, e pelo ex-governador Eduardo Campos. A cerimônia, que foi ministrada pelo Frei Aluísio Fragoso, a princípio, contou apenas com a participação de familiares. Por volta das 23h30, o público foi liberado para as últimas homenagens.

Com as bandeiras da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), do Brasil e de Pernambuco estampadas sob o caixão, o corpo do poeta foi encaminhado para o início do velório. O governador de Pernambuco, João Lyra, e o ex-governador, Eduardo Campos, ajudaram a carregar o caixão para o espaço interno do palácio.

Presidenta Dilma Rousseff no velório de SuassunaAgência Brasil


Já nesta quinta-feira, a presidenta da República, Dilma Rousseff, passou cerca de 40 minutos no local, onde conversou com familiares do escritor e com políticos, como o governador de Pernambuco, João Lyra Neto, e o candidato a presidente pelo PSB, Eduardo Campos. Dilma deixou o local sem fazer declaração pública. Também estiveram presentes o ministro dos Esportes, Aldo Rebelo; os governadores Ricardo Coutinho (Paraíba) e Jaques Wagner (Bahia); o senador Humberto Costa e o prefeito do Recife, Geraldo Julio.

Últimas de _legado_Brasil