Por leonardo.rocha

Rio - Quase uma semana após a divulgação de que o Santander enviou uma análise da economia brasileira criticando o governo federal, o banco encaminhou uma carta aos clientes do grupo Select (com renda mensal de R$ 10 mil) um novo pedido de desculpas. A análise relaciona a queda da presidenta Dilma Rousseff nas pesquisas eleitorais como a melhora na economia.

Nota também reforça que banco adota critérios técnicos nas análises econômicas, e que são feitas sem viés políticoReuters


"Se a presidente se estabilizar ou voltar a subir nas pesquisas, um cenário de reversão pode surgir. O câmbio voltaria a se desvalorizar, juros longos retomariam alta e o índice da Bovespa cairia, revertendo parte das altas recentes", diz o texto.

Assinada pelo vice-presidente executivo do varejo do banco, Conrado Engel, a carta encaminhada aos mesmos clientes nesta semana esclarece que a nota sobre a evolução da economia, na coluna "Você e seu dinheiro", não reflete a posição do Santander.

"Esclarecemos que, de forma alguma, a nota reflete uma posição do banco com relação ao cenário político, e pedimos desculpas se seu teor dá margem a interpretações nesse sentido".

A nota também reforça que o banco adota critérios técnicos nas análises econômicas. E que elas são feitas sem qualquer viés político ou partidário. "Foram tomadas providências para assegurar que nenhum futuro comunicado dê margem a interpretações diversas dessa orientação".

Para tentar amenizar as relações com o governo federal, o presidente mundial do Santander, Emilio Botín, confirmou nesta semana que uma pessoa foi demitida do Santander Brasil devido a uma nota a clientes com comentários.

Leia a íntegra:

"Prezado cliente,

O seu Extrato Mensal recebido no mês de julho trouxe, na coluna 'Você e seu dinheiro', um texto contendo comentários sobre a evolução da economia no contexto de pesquisas eleitorais. Esclarecemos que, de forma alguma, a nota reflete uma posição do banco com relação ao cenário político, e pedimos desculpas se seu teor dá margem a interpretações nesse sentido.

O Santander adota critérios exclusivamente técnicos em todas as análises econômicas, que ficam restritas à discussão de variáveis que possam afetar os investimentos dos correntistas, sem qualquer viés político ou partidário. Foram tomadas providências para assegurar que nenhum futuro comunicado dê margem a interpretações diversas dessa orientação.

Mais uma vez, lamentamos profundamente qualquer mal-entendido que possa ter sido provocado pelo referido texto. Permanecemos à sua disposição para qualquer esclarecimento adicional.

Atenciosamente,

Conrado Engel

Vice-presidente executivo sênior do varejo Banco Santander Select"

Você pode gostar