Por tamara.coimbra

São Paulo - Exame do Instituto de Criminalística (IC) e do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) da Polícia Militar (PM) de São Paulo comprovou que objetos apreenidos com o professor Rafael Lusvarghi, 26 anos, e com o servidor da Universidade de São Paulo (USP) Fábio Hideki Harano, 23 anos, não eram explosivos ou inflamáveis. O advogado dos ativistas, Luiz Eduardo Greenhalgh, recebeu o documento na última segunda-feira. Os dois estão presos há 45 dias, denunciados por porte de material explosivo e outras acusações.

Na sexta-feira, foi solto o professor Jefte Rodrigues do Nascimento, de 30 anos, outro que estava preso acusado de integrar o grupo de black blocs que promoveu depredações durante manifestações em São Paulo.

De acordo com o Tribunal de Justiça (TJ), ele ficou dez dias detido, a partir de 24 de julho. Henrique Lima da Silva, também preso sob a mesma acusação, havia sido libertado 23 de julho.

Você pode gostar