Por leonardo.rocha

São Paulo - Os vereadores de São Paulo aprovaram nesta quarta-feira a instalação de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para investigar os contratos da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) - empresa estadual de economia mista - e a prefeitura da cidade. A criação da CPI teve 30 votos a favor e 9 contra. Segundo a Câmara Municipal, a comissão terá duração de 120 dias, e será composta por nove vereadores.

Sabesp é responsável pelo fornecimento de água, coleta e tratamento de esgotos de 364 municípios do estado de São PauloReuters


A Sabesp é responsável pelo fornecimento de água, coleta e tratamento de esgotos de 364 municípios do estado de São Paulo, e atende, segundo a própria empresa, a aproximadamente 27,7 milhões de pessoas abastecidas com água e 24,7 milhões de pessoas com coleta de esgotos. Mas está às voltas com dificuldades porque, desde o começo do ano, a capital paulista e outras cidades vivem uma crise de abastecimento de água.

“Nós pretendemos, com a CPI, investigar o contrato de prestação de serviços entre a Sabesp e o governo de São Paulo. Vamos apurar o atual contrato, porque entendemos que ele não está sendo cumprido. Já falta água nas zonas leste e norte. Enfim, o atual contrato será apreciado”, disse o vereador Laércio Benko (PHS), autor do requerimento que propôs a CPI.

Já o vereador Andrea Matarazzo (PSDB) acredita que a instalação da CPI foi uma manobra eleitoral. “Essa CPI não faz sentido algum, uma vez que o contrato da Sabesp está aberto para consulta. É público. A meu ver, essa CPI é um barulho político; há interesse eleitoral por trás disso. Não há necessidade de se instaurar uma CPI”, argumentou.

Você pode gostar