Alckmin desafia ANA e Aneel e reduz vazão de rio

Governador de São Paulo se recusa a aumentar volume do Rio Jaguari, que é usado por usina da Light. Ele alega que prioridade é abastecer a população

Por bferreira

São Paulo - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), defendeu ontem a redução na vazão do Rio Jaguari, afluente do Rio Paraíba do Sul, que abastece também Rio de Janeiro e Minas Gerais, por causa da crise no abastecimento de água em seu estado. A questão reacende polêmica criada em março, quando ele dissera que “o Jaguari pertence aos paulistas, como a Baía de Guanabara é dos cariocas”.

Geraldo Alckmin%2C governador de São PauloAgência Brasil

Na semana passada, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) notificou a Companhia de Energia de São Paulo (Cesp) por descumprir determinação de elevar a vazão do rio. Segundo a Aneel, há risco para a geração de energia da Light, que mantém uma usina no Jaguari. Procurada, a direção da concessionária não quis comentar o assunto.

O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), reagiu dizendo que o rio é regulado por legislação federal e avisando que vai “defender os interesses do Estado do Rio” contra a pretensão paulista.

O governador de São Paulo afirmou ainda estar correto ao não aumentar a vazão da Usina Hidrelétrica do Rio Jaguari, como determinou o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). Segundo ele, apenas 45 dos 113 metros cúbicos retirados de Barra do Piraí são usados no abastecimento humano. O restante fica com a Light.

Segundo Alckmin, sua preocupação é primeiro com o abastecimento humano, depois o de animais e depois os demais itens. “Energia elétrica tem outras possibilidades, como a termoelétrica”, disse Alckmin.

Pezão afirmou que vai esperar o posicionamento da ANA. “O rio está submetido à legislação federal. Estamos vendo qual será o posicionamento da ANA, que é quem regula o uso da água. Mas vamos nos defender”, disse o governador.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia