Por leonardo.rocha

São Paulo - A pena do ex-médico Roger Abdelmassih, de 70 anos, preso na última terça-feira, no Paraguai, pode subir para 400 anos de reclusão. O Ministério Público (MP) de São Paulo pediu a Justiça que aumente a punição do acusado, a quem apontado como o "maior criminoso sexual do Brasil". Foragido desde 2010, Abdelmassih foi considerado culpado pela Justiça por 52 estupros e atentados violentos ao pudor contra pacientes em seu consultório em São Paulo.

Ex-médico condenado por estuprar pacientes é preso no ParaguaiDivulgação


De acordo com o representante do Ministério Público, o aumento da pena de Abdelmassih seria uma resposta mais justa para as vítimas e para a sociedade. Porém, pela lei, um condenado não pode ficar mais do que 30 anos preso. Abdelmassih está com 70 anos de idade e já teria ficado detido alguns meses em 2009.

Já a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça (TJ) alegou que os recursos ainda não foram julgados porque os desembargadores priorizavam as análises que envolviam presos e até o início desta semana, o ex-médico não havia sido encontrado. No entento, não há previsão para a data em que os pedidos serão avaliados.

O caso

O ex-médico Roger Abdelmassih, foi preso no início da tarde desta terça-feira, na cidade de Assunção, no Paraguai. Abdelmassih foi condenado a 278 anos de prisão e teve o registro cassado pelo Conselho Regional de Medicina de São Paulo por 52 estupros e 39 tentativas de abuso a outras mulheres.

Já naquarta-feira, ele voltou ao Brasil por Foz do Iguaçu, no Oeste do Paraná, após cumprir o procedimento de deportação e logo seguiu para São Paulo. No desembarque, Abdelmassih seguiu direto para o Instituto Médico Legal (IML), onde foi submetido a um exame de corpo de delito antes de ser encaminhado à Penitenciária 2 de Tremembé, no interior do Estado.

Dezenas de pessoas, entre vítimas, jornalistas e curiosos, se aglomeraram em frente ao portão de desembarque do Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, esperando pela passagem do ex-médico. Ele foi hostilizado com vaias e gritos pedindo por Justiça ao passar pelo corredor onde era aguardado.

Falsidade Ideológica

O chefe de polícia que comanda as investigações sobre o caso de Abdelmassih no Paraguai informou que está empenhado em descobrir a origem do documento falso usado pelo ex-médico. "Infelizmente não podemos cravar ainda, mas pelos registros no sistema informático podemos concluir que esta carta não foi feita no Departamento de Identificação. Parece ser adulterada ou falsificada ”, disse Gilberto Gauto.

Documento falso usado por Roger Abdelmassih no ParaguaiReprodução


O documento foi emitido em 2009 em nome de Ricardo Galeano, nascido 06 de fevereiro de 1949 em Presidente Hayes. A foto de Abdelmassih foi adicionada na identidade. A investigação visa descobrir se o ex-médico cometeu outros crimes no Paraguai.

Você pode gostar