Por bferreira

São Paulo - O ex-governador de São Paulo e candidato ao Senado pelo PSDB José Serra foi intimado pela Polícia Federal para sobre o esquema montado para beneficiar empresas estrangeiras em contratos com o metrô e com a Compahia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) de 1998 a 2008. O depoimento será no dia 7 de outubro.

Segundo matéria divulgada ontem pelo jornal Folha de S. Paulo, investigações mostram que Serra manteve contatos com representantes das empresas. Os contatos, segundo a PF, foram confirmados com interceptação de e-mails e depoimento de um executivo.

Por isso, a Polícia Federal quer que o tucano explicque se, quando era governador, favoreceu as multinacionais CAF e Alstom. Além do e-governador, 44 pessoas serão ouvidas pela polícia, que investiga fraudes em licitações em governos do PSDB. Entre os convocados estão o ex-secretário dos Transportes Metropolitanos José Luiz Portella, o presidente da CPTM, Mário Bandeira, e o ex-presidente do Metrô Sérgio Avelleda.

Três das sete concorrências investigadados foram durante o governo de José Serra. Um e-mail de 2008 e depoimento do executivo da multinacional alemã Siemens Nelson Branco Marchetti sugerem que houve pressão governador e de José Luiz Portella para que a empresa desistisse de um recurso judicial para suspender uma licitação da CPTM para a qual a CAF apresentara a melhor proposta.

No e-mail, uma das saídas discutidas seria a CAF dividir a encomenda com a Siemens, subcontratando a empresa alemã para a execução de 30% do contrato. Outra possibilidade seria encomendar à Siemens os componentes dos trens.

Em nota, a assessoria do ex-governador classsificou de estranha a intimação e argumenta que a investigação sobre o caso foi arquivada pelo Ministério Público.

Você pode gostar