Por tamara.coimbra

Rio Grande do Sul - Policiais civis do Rio Grande do Sul prenderam na noite desta sexta-feira um suspeito — cujo nome não foi revelado — de atear fogo, durante a madrugada, à casa onde morava a torcedora do Grêmio Patrícia Moreira, em Porto Alegre (RS). O atentado seria represália às ofensas racistas dela contra o goleiro Aranha, do Santos, em jogo dos times no dia 28 de agosto. O imóvel estava vazio.

Patrícia foi flagrada por câmeras do Estádio Olímpico e confessou ter chamado o jogador de macaco. Desde então, passou a sofrer ameaça, que levaram a família a mudar de imóvel.

Peritos da Polícia Civil vistoriam a casa da torcedora do Grêmio Ronaldo Bernardi / FolhaPress

O delegado Tiago Madalosso Baldin, da 14ª DP, informou que uma testemunha reconheceu por foto o suspeito, que foi detido no bairro Passo das Pedras, na zona Norte de Porto Alegre. O policial relatou que o homem confessou o crime. Na ocasião, ele disse que havia ingerido bebidas alcoólicas, e que se sentia enojado com a atitude da torcedora e comentou ainda que usou um isqueiro.

O policial disse que o suspeito tem 28 anos e apresentava queimaduras nas mãos. O homem já havia sido condenado por porte ilegal de arma de uso restrito e tráfico de drogas e também possui no histórico uma fuga do regime semiaberto. No fim da noite desta sexta-feira, o pedido de prisão preventiva foi acatado pela Justiça, e o suspeito será levado para o Presídio Central.

O incêndio começou por volta das 4h e foi percebido por vizinhos, que se mobilizaram para impedir que o fogo destruísse o imóvel. Quando os bombeiros chegaram, por volta das 5h, as chamas tinham sido apagadas. Três peritos inspecionaram a casa na tarde desta sexta.

Vladimir Brum, de 37 anos, que mora na mesma rua da casa de Patrícia, contou que o incêndio começou quando material em chamas, aparentemente recolhidos o lixo, foi jogado no imóvel. Outro vizinho, Fernando Azambuja, 64, disse que o clima no bairro é de apreensão desde que o imóvel onde mora a família da torcedora gremista foi apedrejado na semana passada.

Você pode gostar