Por tamara.coimbra

São Paulo - Divulgado pela Polícia Militar, balanço dos conflitos ocorridos na região central de São Paulo, nesta terça-feira, mostram que nove pessoas acabaram presas ao longo do dia após a reintegração de posse do edifício onde ficava o Hotel Aquarius, ocupado havia seis meses pelo grupo sem-teto Frente da Luta pela Moradia.

Dois indivíduos foram presos por lesão corporal praticada contra policiais; dois, por furto; quatro por prática de arrastão; e um, uma mulher, por suspeita de incendiar um ônibus em frente ao Teatro Municipal.

Objetos foram lançados sobre a polícia por ocupantes de prédio invadido durante reintegração de posseReprodução TV Globo

No total, 75 pessoas foram encaminhadas a distritos policiais, conduzidas por resistência e desobediência praticadas durante a reintegração, iniciada às 6h e finalizada somente à noite, quando caminhões terminavam de retirar os pertences das famílias de dentro do edifício para levá-los à Secretaria de Habitação paulistana. Os detidos foram liberadas na sequência.

No auge dos conflitos, no final da tarde desta terça, 700 policiais chegaram a atuar na região central contra os manifestantes — 400 a mais dos inicialmente envolvidos na ação, ainda pela manhã. Aproximadamente 140 viaturas da PM atuaram na área ao longo do dia, sendo que uma delas, da Força Tática, teve seu vidro depredado. A corporação também registrou que foram danificados dez armaduras protetoras conhecidas como "Robocop", utilizadas por alguns agentes sobre as fardas.

A PM, que começou a negociar a reintegração ainda às 2h desta terça, afirma que o segundo confronto, iniciado às 16h, foi iniciado, segundo a corporação, na Rua 24 de Maio, quando sem-teto tentaram voltar ao edifício desocupado e foram impedidos pelos agentes.

Com a frustração do plano, entraram em conflito com os policiais. Os homens da corporação usaram bombas de gás lacrimôgeneo e de efeito moral para dispersar os manifestantes, entre eles jovens mascarados que usaram pedras e paus para depredar lojas e atingir os agentes.

Cinco homens da PM ficaram feridos, todos na parte da manhã — segundo a corporação, mais tensa do que na da tarde: um com lesão no olho, um com fratura no tornozelo, um com queimadura de segundo grau na perna e dois com lesões nas pernas. A PM não soube informar quantos civis ficaram feridos.

A reintegração desta quarta foi a 120ª executada em 2014 no Estado de São Paulo.

Você pode gostar