Por victor.duarte

Paraná - Terminou na tarde desta quarta-feira, por volta das 15h, a rebelião que começou na manhã de terça-feira na Penitenciária Estadual de Piraquara 2, na região metropolitana de Curitiba (PR). Os 63 presos que se rebelaram mantiveram dois agentes penitenciários com reféns o tempo todo. Não houve feridos e nem depredação.

Os rebelados são do bloco chamado “seguro”, que reúne os detentos condenados por estupro, os que têm curso superior e policiais que cometeram crimes. Eles pediam a construção de um muro entre o bloco deles e o bloco vizinho, onde estão presos membros de facções criminosas, por temerem ser reféns em rebeliões.

LEIA MAIS: Polícia retoma negociações com presos rebelados em penitenciária do Paraná

O grupo queria ainda a reposição dos colchões que eles próprios queimaram em uma rebelião na última sexta-feira, melhoria na alimentação e a suspensão de restrições a visitas dadas como punição pela rebelião anterior.

A Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos disse que não tinha como construir um muro, mas reforçou as celas entre os dois blocos, suspendeu as restrições a visitas, mas disse que não tinha como melhorar a alimentação, por ser feita por uma empresa que venceu a licitação.

Neste sentido, o acordo vai permitir que instituições, como a Ordem dos Advogados do Brasil, a Pastoral Carcerária e veículos de comunicação, entre outras, façam a supervisão da alimentação sem que seja necessário agendamento.

Você pode gostar