Por tamara.coimbra

São Paulo - Um grupo de manifestantes, portando faixas e cartazes, protestou a favor da legalização do aborto na tarde deste domingo, na Avenida Paulista, no Centro de São Paulo. Também ocorreram atos em Belo Horizonte, Porto Alegre e Rio de Janeiro. Organizado pela Marcha Mundial de Mulheres, o ato na capital paulista pediu a descriminalização do aborto e lembrou mulheres que morreram durante procedimentos de abortos clandestinos.

Carregando faixas e cartazes%2C cerca de 200 mulheres promoveram uma passeata pela Avenida Paulista Estadão Conteúdo

Segundo os organizadores, mais de 200 pessoas participaram do protesto, que começou na Praça do Ciclista e seguiu até a altura do Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista. Denominado ‘Cortejo da mulher morta em aborto clandestino’, segundo perfil do evento no Facebook, a marcha passou em frente a diversas igrejas da região. As manifestantes carregavam um caixão, simbolizando as vítimas falecidas.

“Nosso clima é de luto quando nossos direitos são moeda de troca. Portanto, pedimos que viessem vestidas com uma roupa que representasse o luto”, informou o texto sobre o ato. A data — 28 de setembro — marca o dia de luta pela descriminalização do aborto na América Latina e no Caribe.

Entre as mulheres lembradas pelas manifestantes de São Paulo foram citadas a carioca Jandira Magdalena dos Santos, sepultada neste domingo no Rio, que ficou desaparecida por quase um mês após procurar uma clínica de aborto, e Elizângela Barbosa, que teve seu intestino e útero perfurados após passar por outro aborto clandestino, numa casa em Niterói, há uma semana.

Você pode gostar