Prefeitura de São Paulo compra feijão do MST para levar às escolas

Alimentos vêm sendo adquiridos desde 2013 devido a uma determinação do Ministério do Desenvolvimento Agrário

Por O Dia

São Paulo - Duas cooperativas do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST) entregarão um total de ao menos 360 toneladas de feijão para a Prefeitura de São Paulo oferecer nas escolas da capital paulista. O alimento será usado no preparo de refeições para as crianças nas instituições de ensino.

Fechado na sexta-feira, o acordo prevê a venda de 60 mil quilos de feijão todos os meses, entre janeiro e julho. Há a possibilidade de renovação com as cooperativas, a Coapri e a Copava, ambas de Itapeva, no interior paulista.

“Temos condições de atender 100% da alimentação escolar da cidade", diz Sebastião Aranha, militante do MST, citando as parcerias das cooperativas com outras cidades, como Ribeirão Pires, Campinas, São Bernardo, São José do Rio Preto, Guarujá e com as Companhias Nacionas de Abastecimento (Conabs) de São Paulo e Minas Gerais.

"É o nosso objetivo, pois quem produz alimentos saudáveis é a agricultura familiar e muitos desses alimentos acabam sendo vendidos para a prefeitura por atravessadores."

Os alimentos vêm sendo adquiridos pela prefeitura desde o ano passado devido principalmente a uma determinação do Ministério do Desenvolvimento Agrário e Social de que escolas devam comprar produtos da agricultura familiar, diz a assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Educação.

No ano passado já havia sido comprado arroz; neste ano, arroz orgânico. Também foi aberto pela prefeitura edital para aquisição de suco de uva das cooperativas.

Últimas de _legado_Brasil