Por bferreira

São Paulo - Uma excursão de estudantes da Escola Estadual Dom Gastão Liberal Pinto, de Borborema, interior de São Paulo, terminou em uma tragédia que comoveu o país, no final da noite de segunda-feira. O ônibus que transportava alunos e professores de volta para a casa colidiu de frente com uma carreta na Rodovia Leônidas Pacheco Ferreira (SP-304), em Ibitinga, e estraçalhou sonhos de jovens, docentes e suas famílias. Onze pessoas foram mortas — sete alunos, três professoras e a diretora da escola.

Outras 24 ficaram feridas, entre elas 16 em estado grave, e foram levadas para as Santas Casas de Borborema e Ibitinga. Em clima de muita emoção, os corpos das vítimas foram velados ontem à tarde em cerimônia coletiva no ginásio de esportes de Borborema. A prefeitura da cidade decretou luto por três dias.

O acidente aconteceu por volta das 23h30. Segundo a polícia, o impacto foi tão forte que o coletivo teve a lateral arrancada. As vítimas foram arremessadas na rodovia e morreram na hora. Após a batida, a carreta, que transportava óleo vegetal, pegou fogo, que foi controlado duas horas depois pelas equipes do Corpo de Bombeiros. O motorista do ônibus ficou ferido e o da carreta teve escoriações leves. A empresa de ônibus envolvida no acidente, a Jabotur, informou que está apurando as circunstâncias do acidente e por enquanto não iria se manifestar oficialmente.

Os estudantes e professores da Escola Dom Gastão Liberal Pinto saíram de Borborema na manhã de segunda-feira para participar de uma excursão, onde conheceram a Sala São Paulo. Segundo informações da prefeitura, três ônibus com cerca de 110 pessoas foram até a capital. Os outros dois ônibus chegaram por volta das 23h. Como o terceiro coletivo estava demorando, uma das professoras voltou pela estrada e constatou a tragédia.

Pai de ferido diz que veículos bateram de frente

O pai de um dos estudantes feridos no acidente afirmou em entrevista à rádio BandNews FM que os veículos bateram de frente. Joel Felipe conversou com passageiros do ônibus da Viação Jabotur. A polícia, no entanto, não confirmou se a colisão foi frontal. Quatro estudantes estão internados em estado grave na UTI da Santa Casa de Ibitinga — entre eles o filho de 14 anos de Joel Felipe — e os outros ocupantes do ônibus, feridos com menor gravidade, foram levados para a Santa Casa de Borborema.

A Polícia Militar e o serviço de atendimento de emergência estiveram no local durante toda a noite realizando o resgate. O secretário da Educação do Estado, Herman Voorwald, também foi à cidade acompanhar os trabalhos de resgate e dar apoio às vítimas e parentes.

Através de nota, a Secretaria de Educação de São Paulo lamentou “profundamente o grave acidente”. Segundo a secretaria, o veículo que transportava os passageiros pertence a uma empresa contratada pela Diretoria Regional de Ensino de Taquaritinga. As aulas nas escolas das redes estadual e municipal de Borborema foram suspensas.

Jovem dormia no banco de trás

Um dos sobreviventes da tragédia, o estudante Leandro Marques, 17 anos, só conseguiu dizer uma palavra ao encontrar o pai: “Assustador”. Em estado de choque, o jovem retornou com o pai, Manoel Marques Gonçalves, 38, ao local do acidente na manhã de ontem para tentar recuperar o óculos que usa e que estava na mochila.

Segundo o pai, Leandro estava sentado no último banco da lateral não atingida pelo caminhão. Ele dormia no momento do acidente. Com o impacto, acordou assustado e saiu do veículo o mais rápido possível.

De acordo com Gonçalves, o filho ligou para ele depois de sair do coletivo. Ele afirmou que o encontrou andando pela rodovia, ainda atordoado. “Ele me disse que foi assustador. Quando o encontrei, levei para casa”, disse.

Você pode gostar