Por victor.duarte

São Paulo - Embora tenha deixado o grupo de gestão do Sistema Cantareira, o presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), Vicente Andreu Guillo, afirmou nesta quarta-feira que a proposta de transpor a água da bacia do rio Paraíba do Sul até a capital paulista e a Região Metropolitana é viável.

A proposta, feita pelo governador Geraldo Alckmin, é interligar o Cantareira às represas Jaguaré e Atibainha, da bacia do rio Paraíba do Sul, que corta os Estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.

LEIA MAIS:

Seca na Bacia do Rio Paraíba do Sul pode causar apagões no Rio de Janeiro

Nível de reservatórios na Bacia do Paraíba do Sul atinge menor nível da história

Represa do Jaguari%2C na cidade de Vargem%2C em foto de setembroLuiz Augusto Daidone / Prefeitura de Vargem

Segundo o presidente da agência, que falou à CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Sabesp, "é perfeitamente possível conciliar esses interesses", afirmou. “É um processo de convencimento."

Andreu diz que a gestão do rio Paraíba do Sul foi estabelecida por diversos acordos, que precisariam ser mudados e aceitos pelos Estados envolvidos, algo “delicado”.

O presidente da ANA, que acusou Mauro Arce, secretário de Recursos Hídricos, de descumprir acordo para redução da captação do Cantareira, chegou a se desculpar por ter dito que seria mais fácil o Palmeiras chegar em primeiro no Campeonato Brasileiro do que dar certo o plano de utilização da segunda cota do volume morto. “Foi uma frase infeliz que um jornalista ouviu e publicou. Peço desculpas publicamente."

Você pode gostar