Por victor.duarte

São Paulo - O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou pedido de habeas corpus impetrado pela defesa de Gil Grego Rugai, condenado pela morte do pai e da madrasta. O estudante se entregou à Polícia Civil na manhã dessa quarta-feira.

Gil Rugai foi condenado a 33 anos e 9 meses de prisão, em regime fechado, pelos assassinatos do pai, Luiz Carlos Rugai, e da madrasta, Alessandra Troitino, em 2004, dentro da residência do casal em Perdizes, na zona Oeste de São Paulo.

LEIA MAIS: 

Gil Rugai se entrega à polícia em São Paulo

Gil Rugai chega ao presídio de Tremembé, no interior de São Paulo

Réu Gil Rugai chega ao segundo dia do júri popular%2C em São PauloReprodução Internet

O STJ alegou que durante a prisão cautelar, Gil Rugai se ausentou de São Paulo sem comunicar ao juízo processante o seu novo endereço. O estudante só foi localizado devido à reportagem televisiva que mostrou que Rugai estava morando em Santa Maria, no Rio Grande do Sul.

O estudante condenado por homicídio se juntou às celebridades do crime da Penitenciária 2 de Tremembé (Presídio Dr. José Augusto César Salgado), também conhecida como o presídio dos famosos, no final da tarde dessa terça-feira. Escoltado por viaturas Polícia Civil, o ex-seminarista chegou ao local às 17h45, de acordo com funcionários da prisão.

Você pode gostar