Empresário nega intermediação na cobrança de propina na Petrobras

Em documento enviado à Justiça Federal, Shinko Nakandakari se colocou à disposição da Polícia Federal e do Ministério Público para colaborar com as investigações

Por O Dia

Brasília - A defesa do engenheiro Shinko Nakandakari negou nesta terça-feira que ele tenha intermediado cobrança de propina na Diretoria de Serviços da Petrobras. Em documento enviado à Justiça Federal em Curitiba, o empresário se colocou à disposição da Polícia Federal e do Ministério Público para colaborar com as investigações e para "trazer os fatos de volta à realidade".

Nesta segunda, a defesa do diretor da Galvão Engenharia Erton Medeiros Fonseca, preso na sétima fase da Operação Lava Jato, da Polícia Federal (PF), entregou à polícia comprovantes do pagamento R$ 8,8 milhões de propina a uma pessoa que se apresentou como emissária da Diretoria de Serviços da Petrobras. Segundo o advogado do executivo, os pagamentos foram ordenados por Shinko Nakandakari, com conhecimento do ex-gerente de Serviços Pedro Barusco.

De acordo com a planilha apresentada, foram feitos 23 pagamentos entre 2010 e 2014. O advogado confirmou que havia ameaça de retaliação nos contratos que a Galvão Engenharia tinha com a Petrobras, caso não houvesse o pagamento dos valores estipulados de "maneira arbitrária, ameaçadora e ilegal".

Últimas de _legado_Brasil